A empresa norte-americana de cafés Starbucks anunciou que irá fechar mais de oito mil das suas lojas nos Estados Unidos durante a tarde do dia 29 de maio. O encerramento servirá para ser dada formação sobre preconceitos raciais e como combatê-los aos cerca de 175 mil trabalhadores.

A medida foi anunciada esta semana pela empresa, em comunicado, e surge depois de a marca ter estado debaixo de fogo na semana anterior devido a um incidente numa das suas lojas, em Filadélfia. Tudo aconteceu quando dois homens negros, que estavam na loja sem consumir alegando que estavam à espera de uma pessoa, foram detidos, segundo conta a NPR. O gerente da loja decidiu telefonar às autoridades quando um dos homens pediu para ir à casa-de-banho, acusando-o de invasão de propriedade.

Outros clientes que estavam na loja filmaram o incidente e denunciaram o caso nas redes sociais, dizendo que os dois homens “não estavam a fazer nada de mal” e que outras pessoas, brancas, também estavam sentadas sem consumir nada na loja.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Desde então, as manifestações obrigaram ao encerramento temporário da loja e várias figuras locais, como o presidente da câmara de Filadélfia, Jim Kenney, criticaram a ação do empregado. “Como qualquer estabelecimento comercial na nossa cidade, um Starbucks devia ser um local onde toda a gente é tratada de forma igual, independentemente da cor da sua pele”, declarou Kenney.

https://observador.pt/videos/atualidade/como-a-detencao-de-dois-negros-se-virou-contra-a-starbucks/

O presidente da Starbucks, Kevin Johnson, já reagiu visitando o local e encontrando-se pessoalmente com os dois homens em causa para lhes pedir desculpa. “Apesar de este não ser [um problema] exclusivo da Starbucks, estamos comprometidos em ser parte da solução”, declarou Johnson, ao apresentar a formação de maio, que passará a fazer parte da formação de todos os novos trabalhadores da marca.