O treinador do Sporting de Braga, Abel Ferreira, considerou esta quinta-feira que, “mais do que uma ideia de jogo”, a equipa reflete em campo “uma forma de estar na vida, no desporto e no futebol em particular”. Abel Ferreira elogiou o Marítimo, que os minhotos recebem na sexta-feira, na 31.ª jornada da I Liga, uma “equipa de processos simples, mas com uma identidade muito vincada e eficaz” e considerou que, para bater os insulares, o Sporting de Braga terá que “ser fiel à sua identidade” e jogar com “paixão e alegria”.

Tal como em jornadas recentes, Abel Ferreira quer uma entrada forte do Sporting de Braga em jogo e deu a receita: “quando temos a bola, toda a gente tem que se mexer e mostrar-se para dar linhas de passe e, quando não temos, não podemos andar a passo, toda a gente tem que correr, atacamos quando temos bola e quando não temos também”, disse. “Isto é mais do que uma ideia de jogo, é uma forma de estar na vida, no desporto e no futebol em particular: se jogássemos com uma camisola vermelha sem o símbolo do clube, toda a gente sabia quem estava a jogar e isso diz muito. Todos dependemos uns dos outros, o processo ofensivo depende da ideia coletivo”, disse.

Se vencer o Marítimo, o Sporting de Braga iguala o recorde de pontos num campeonato (71, em 2009/10, com Domingos Paciência no comando técnico), mas Abel Ferreira disse apenas que o que pediu aos jogadores é que “é sempre possível fazer mais e melhor”. “Temos que acreditar nisso, mas sobretudo em tudo o que nos trouxe até aqui, treinar que nem animais, é impressionante a forma como treinam, é raro o treino que não acaba com mazelas”, disse.

No final do jogo com o Paços de Ferreira, da última jornada (vitória por 5-1), o técnico disse que o Sporting de Braga é a equipa que melhor futebol pratica em Portugal. “É aquilo que eu sinto e custa-me ouvir dizer que não temos soluções, que o plantel é curto, muitos saíram e ninguém deu pela falta deles”, lembrando as ausências de Fransérgio, Ricardo Ferreira e Rosic, estes lesionados de longa duração, ou Bruno Viana e Vukcevic, no último jogo, por castigo.

Questionado sobre se a equipa pensa ainda no segundo lugar, Abel Ferreira respondeu: “temos que ser ambiciosos, querer sempre mais, pôr a fasquia cada vez mais alto, mas, ao mesmo tempo, temos que ser realistas”, disse. “Não sei se vou ficar em primeiro, terceiro ou segundo, mas o orgulho que sinto é o mesmo de todos os adeptos, ver toda a gente apaixonada pela equipa, todos em harmonia e a puxar por um clube e uma cidade, sentimos que estamos a conquistar o respeito das pessoas”, disse.

António Salvador considerou esta semana que, se não fossem eventuais erros de arbitragem, o Sporting de Braga estaria a lutar pelo título, mas Abel Ferreira não quis alongar-se sobre o tema. “O presidente falou e está dito, [mas] não me interessa isso, não é esse o nosso foco, porque não controlo isso”, disse. Sporting de Braga, quarto classificado com 68 pontos, e Marítimo, sexto com 44, defrontam-se na sexta-feira, às 20h30, no Estádio Municipal de Braga, em jogo da 31.ª jornada da I Liga.