Cabo Verde

Duas dezenas de escritores de língua portuguesa no VIII encontro na cidade da Praia

O Encontro de Escritores de Língua Portuguesa (EELP) acontece na cidade da Praia, que no dia 29 comemora 160 anos, e também numa semana em que acolhe vários eventos de natureza musical e cultural.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O VIII Encontro de Escritores de Língua Portuguesa arrancou esta sexta-feira, na cidade da Praia, com duas dezenas de participantes e homenagem ao ensaísta, crítico e dramaturgo cabo-verdiano Jaime de Figueiredo.

Pela terceira vez consecutiva, o Encontro de Escritores de Língua Portuguesa (EELP) acontece na cidade da Praia, capital de Cabo Verde, que agora é sede do evento e vai passar a organizar todos os anos, em parceria com a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).

A proposta foi lançada pelo presidente da Câmara Municipal da Praia, Óscar Santos, no último encontro, realizado em outubro, e aceite pela UCCLA. Para o secretário-geral da UCCLA, Vítor Ramalho, o encontro acontece “num momento muito significativo” para a cidade da Praia, que no dia 29 comemora 160 anos, e também numa semana que acolhe vários eventos de natureza musical e cultural, como o Atlantic Music Expo (AME) e o Kriol Jazz Festival (KJF).

Vítor Ramalho indicou que todos os países lusófonos estão representados no encontro, uns com mais do que um escritor, com é o caso de Cabo Verde e Portugal, num total de duas dezenas. Um dos convidados é o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, também ele escritor e poeta, que vai falar sobre literatura e cidadania num dos painéis no sábado.

Inês Barata Raposo, José Carlos Vasconcelos e António Carlos Cortez (Portugal), David Capelenguela (Angola), Conceição Queirós (Moçambique), Olinda Beja (São Tomé e Príncipe), Luís Costa (Timor Leste), Tony Tcheka (Guiné-Bissau) são alguns dos outros escritores convidados. Este ano, além dos escritores lusófonos, o secretário-geral da UCCLA salientou a presença de uma escritora da Galiza, Concha Rousia.

Com o tema “A cidade e a literatura: conexões entre cidadania, criatividade e juventude”, a abertura do encontro de escritores foi feita pelo ministro da Cultura e das Indústrias Criativas cabo-verdiano, Abraão Vicente. Considerando-se como um “aprendiz de escritor”, Abraão Vicente disse que o evento acontece numa “semana quente” a nível cultural, em que a Praia é a “capital” da cultura de Cabo Verde.

O ministro lançou o desafio para se “refazer o imaginário” à volta da Praia, a partir da literatura e dos escritores, tornando-se numa cidade onde todos possam viver e com sentido de cidadania. O governante também destacou a coincidência do encontro de escritores com o AME e o KJF, considerando que dá uma “dinâmica muito grande” à cidade da Praia.

O VIII encontro de escritores homenageia o ensaísta, crítico e dramaturgo cabo-verdiano Jaime de Figueiredo (1905 – 1974), antigo conservador da Biblioteca Municipal da Praia, e considerado um dos grandes vultos das letras cabo-verdianas. Durante três dias, os participantes vão discutir a literatura, com as suas ligações à juventude, criatividade, cidadania, além de feira e exposição de livros e visitas ao Tarrafal de Santiago e à Cidade Velha. As quatro primeiras edições do encontro foram realizadas em Natal (Brasil) e a quinta em Luanda (Angola).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)