Volkswagen

Este é o truque que a VW reserva para o novo Golf

A próxima geração do modelo mais vendido pela Volkswagen vai apostar na micro-hibridização. Os três elementos que vê na imagem prometem fazer do Golf um exemplo, em termos de baixos consumos. Diesel!

Enquanto uns apostam que o diesel vai acabar, outros continuam apostados no desenvolvimento de grupos motopropulsores a gasóleo. É o caso da Volkswagen que, embora vá apresentar o novo Golf apenas no próximo ano, expectavelmente no segundo semestre de 2019, quis desde já começar a aguçar-nos o apetite para a oitava geração do seu modelo mais vendido em todo o mundo. Nomeadamente, fazendo saber que o próximo Golf não só vai continuar a apostar no diesel, como este será o combustível eleito para “reduzir drasticamente as emissões”, ao mesmo tempo que oferecerá uma dinâmica de condução reforçada e um nível de conforto superior. A questão é como?

O truque está na micro-hibridização. É seguindo este caminho que a marca germânica pretende melhorar a eficiência dos seus motores, garantindo consumos mais baixos e, por tabela, menores emissões. Convém não esquecer, a propósito, que os fabricantes estão obrigados a cumprir metas de CO2, que se fixam num limite de 95 g/km, em 2020.

Uma das estratégias do fabricante de Wolfsburg para alcançar esse objectivo vai passar por usar no Golf, pela primeira vez, um sistema híbrido de 48V. Olhando para a imagem que abre este artigo, vemos os elementos que lhe dão ‘vida’: à esquerda, temos em cima o motor eléctrico que desempenha papel de alternador e motor de arranque, sendo o responsável por recuperar a energia. Será por esta via que o arranque é apoiado, permitindo por outro lado que o Golf continue a rolar, em velocidade cruzeiro, sem recorrer aos serviços do motor diesel (o funcionamento deste é interrompido e retomado automaticamente, em função das circunstâncias de utilização, com a transmissão por correia de borracha a garantir uma maior suavidade). Com isso, a marca aponta para uma redução do consumo de combustível na ordem dos 0,3 litros por cada 100 quilómetros. Mas, regressando à imagem, vemos ainda outros dois componentes: ao centro, a bateria de iões de lítio e, à direita, o transformador de corrente contínua que ficará entre o habitual módulo de 12V e o novo de 48V – similar ao que já equipa o novo Touareg, além do Audi A8, A7 e A6.

No coração desta nova mecânica semi-híbrida estará um 2 litros turbo, de quatro cilindros, naquilo a que a marca designa por família EA288 Evo. Este bloco apresentar-se-á com diferentes níveis de potência, que vão desde os 136 cv aos 204 cv, e aporta várias melhorias face às versões do 2.0 TDI que podem ser compradas actualmente. Segundo a Volkswagen, não só o processo de combustão foi optimizado, como a resposta do turbocompressor também é mais rápida. Além disso, tudo aquilo que garante o tratamento dos gases de escape – do filtro de partículas ao redutor catalítico selectivo (para os NOx) – foi redimensionado e, promete a marca, terá uma maior eficácia e vida útil. Outra das boas notícias, face à anterior geração, é que este EA288 Evo é mais leve e eficiente, com a Volkswagen a garantir que as melhorias operadas permitem reduzir em até 10 g/km as emissões de CO2, ao mesmo tempo que a potência e o binário sobem até 9%.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)