Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“As coisas são como são / uns chegam outros vão / uns chegam outros vão / mas eu não”. É com estas rimas que Boss AC abre o seu novo EP, Patrão, mais um trabalho do autor de “Lena”, “Baza Baza”, “A Carta Que Nunca Te Escrevi”, “Boa Vibe”, “Princesa (Beija-me Outra Vez)” e “Sexta-Feira”. O lançamento do EP fez-se acompanhar do lançamento de um novo videoclip do novo single “Queque Foi”, que pode ver abaixo.

Num tema em que explora uma sonoridade moderna (curiosamente com influências aparentes da estética trap), Boss AC surge afirmativo, lembrando que “escreve, compõe, produz e grava” os seus temas e que “o novo AC é o velho AC. Se não fosse assim, eu nem ‘tava aqui”. O tema e o videoclip abrem a porta ao próximo álbum do rapper e cantor, que — garante em comunicado a sua editora, Universal Music Portugal — já está a ser pensado. Patrão inclui cinco faixas novas de Boss AC: “As Coisas São como São”, “Queque Foi”, “A Vida (Ela Continua)”, “O Verdadeiro” e “É pa Ganhar”.

[“Queque Foi”, o novo single e ‘videoclip’ de Boss AC:]

O novo EP, com temas bastantes ecléticos (há-os espirituais, auto-afirmativos, nostálgicos e festivos), tem como convidados DJ Ride e Black Company. Os últimos são “irmãos e companheiros de estrada de longa data”, afirma AC (ou Ângelo César Firmino) à imprensa, lembrando o passado comum que o une ao grupo desde a edição da primeira compilação de hip hop lisboeta e nacional, Rapública, em 1994.

O novo trabalho chega no ano em que se assinalam duas décadas do primeiro álbum de Boss AC, Manda Chuva. Seguiram-se Rimar Contra a Maré, em 2002, Ritmo, Amor e Palavras (RAP), em 2005, Preto no Branco, em 2009 e AC Para os Amigos, em 2012.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR