Rádio Observador

Canadá

Justin Trudeau lembra noite especial em que comeu chouriço assado em Sintra

179

Justin Trudeau lembrou esta sexta-feira as férias passadas em Portugal, nomeadamente umas férias em que acampou na zona de Sintra e onde a ementa foi chouriço assado e vinho tinto.

Miguel Gutiérrez/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, fez um discurso com rasgados elogios à comunidade portuguesa no Canadá e lembrou com emoção os seus tempos de jovem campista na Praia da Adraga, Sintra, com vinho tinto e chouriço assado.

Justin Trudeau fez um discurso informal na abertura do almoço que ofereceu ao primeiro-ministro, António Costa, que completa em Toronto o terceiro de quatro dias de visita oficial ao Canadá.

“Há 20 anos fui um dos muitos jovens canadianos que fez férias em Portugal, acampando e viajando pelo país. Mas tenho de admitir: Não se vive até se acampar em Portugal”, afirmou, surpreendendo com estas palavras boa parte dos seus convidados presentes no almoço oficial.

O primeiro-ministro canadiano referiu-se depois a uma “noite especial” que passou há duas décadas junto às falésias da Praia da Adraga, no concelho de Sintra.

Esqueçam as batatas fritas ou o strogonof. A nossa ementa nessa noite foi chouriço assado, um excelente pão e um dos melhores vinhos tintos que provei durante as minhas férias de campismo”, contou.

Para Justin Trudeau, esta experiência que teve “revelou a qualidade de vida que há em Portugal, assim como as amizades que fiz nesse país”. “Faço figas para que o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Canadá, o CETA, continue a providenciar aqueles mantimentos para campistas em Portugal”, declarou, numa nova alusão ao chouriço e ao vinho de Portugal, o que provocou imediatamente risos na plateia.

Na parte do discurso mais formal, o primeiro-ministro do Canadá destacou a forma como as sucessivas vagas de emigrantes portugueses, muitos com origem nos Açores, contribuiu desde a década de 50 do século passado para “a construção do Canadá moderno”.

“A cultura portuguesa está presente nas nossas vilas e cidades de diversas formas, com valores tradicionais de família, trabalho árduo e paixão pelo futebol. Os luso-canadianos são a chave da explicação do Canadá de hoje”, considerou.

Mas Justin Trudeau foi mais longe nos elogios à comunidade portuguesa no seu país, salientando que “Portugal deu muito ao Canadá, desde a excecional gastronomia, à sua música tradicional e a uma identidade própria vincada”. “Portugal deu tanto ao Canadá”, repetiu o líder do executivo canadiano, recebendo então muitas palmas.

Antes, durante o fórum de negócios entre Portugal e o Canadá, Justin Trudeau falou sobre casos de sucesso de portugueses que chegaram ao Canadá há vários anos e que agora se destacam como empresários. Num contexto em que elogiava as oportunidades que serão abertas pelo CETA, o primeiro-ministro do Canadá falou sobre o negócio de vinhos de um senhor luso-canadiano chamado David Macedo, que, segundo ele, poderá em breve ter nas suas lojas uma maior variedade de produtos.

Justin Trudeau referiu-se ainda à “Távora Food’s”, atualmente uma grande cadeia do ramo alimentar, propriedade de um português da Beira Alta “que chegou ao Canadá na década de 50 sem saber uma única palavra de inglês”. “São hoje um sucesso e levam os sabores de Portugal a toda esta cidade de Toronto”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)