Rádio Observador

Turismo

Turismo mantém ligação fluvial entre Portugal e Espanha após ponte sobre Guadiana

A rota que une Vila Real de Santo António a Ayamonte é feita via ferryboat desde 1991. Apesar das dificuldades em manter o negócio viável, este trajeto fluvial vai continuar

LUÍS FORRA/LUSA

A travessia fluvial na fronteira luso-espanhola entre Vila Real de Santo António e Ayamonte perdeu importância quando a ponte internacional sobre o Guadiana abriu e criou uma alternativa à travessia do rio, mas mantém-se em atividade devido ao turismo.

Quase três décadas após a abertura da ponte, em 1991, ainda é possível viajar de “ferryboat” entre as localidades fronteiriças de Vila Real de Santo António, na região portuguesa do Algarve, e de Ayamonte, na província espanhola de Huelva, como nos tempos em que essa era a única forma de passar de Portugal para a Espanha, mas hoje já não há filas de automóveis a aguardar a sua vez de entrar na embarcação e só o turismo garante o sustento da travessia.

Atualmente, não se esperam horas para entrar no “ferry” e a ligação de 15 minutos entre as margens portuguesa e espanhola do Guadiana passou a ser vista como “um passeio”, disse à agência Lusa o gerente da empresa de transportes do Guadiana, Francisco Santos.

“Aqui em Vila Real [de Santo António] isto está muito pela pele, como se costuma dizer, porque aquilo que se faz é praticamente para pagar os ordenados do pessoal, combustível e tudo mais, as responsabilidades da empresa”, afirmou o gerente da empresa que assegura a ligação fluvial, frisando que a afluência, após a abertura da ponte, “quebrou bastante”.

A esta alteração na forma de transporte entre os dois países, vieram nos últimos anos somar-se as dificuldades criadas à operação pela degradação do cais de acostagem em Vila Real de Santo António, criticou Francisco Santos, referindo-se à estrutura requalificada há cerca de um ano e inaugurada recentemente pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

O gerente da empresa de transportes do Guadiana lamentou que a obra do cais tenha demorado “um ano e qualquer coisa a ser concluída” e “sem passar carros”, o que “acarretou um prejuízo para a empresa”.

“Mas a coisa é para ir andando, ir aguentando, porque isto agora é mais uma atração turística, um passeio para passar até Ayamonte, porque já não se faz o que se fazia no passado”, disse ainda Francisco Santos.

O capitão do porto de Vila Real de Santo António, Pedro Palma, disse à Lusa que o cais recentemente requalificado “representa a porta de entrada para Portugal” e é “um complemento” à ponte rodoviária, mas constitui também “uma grande mais valia” para a Autoridade Marítima.

“É aqui que está previsto no Plano de Emergência fazer a abordagem de qualquer ferido e de qualquer situação que possa ocorrer no mar”, justificou Pedro Palma, acrescentando que a estrutura permite ter “ambulâncias à porta” e dar “facilidade de manobra para as embarcações acostar”.

“A ponte continua a funcionar, funciona, mas há este mito de todas as pessoas mais antigas quererem mostrar aos seus filhos como era antigamente [a passagem de ‘ferry’] e manteve-se, quanto a mim muito bem, esta capacidade de poder transportar automóveis através desta embarcação”, considerou o capitão do porto.

António Santos, mestre do Campino, embarcação portuguesa que faz a travessia fluvial, também reconheceu que trabalhar com este novo cais “é mais difícil do que com o velho, porque é mais baixo e as borrachas, em vez de estarem inteiras, estão aos pedaços”, e hoje é o turismo que garante a viabilidade da travessia.

António Santos disse também que, quando há feriados, “há movimento, mas o resto do inverno vive-se com os estrangeiros”, porque os “portugueses, de Vila Real até Tavira, vêm de carro, fazem as compras e abastecem de combustível, e sai-lhes mais barato”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
152

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)