Jogos Santa Casa

Lucros da Santa Casa atingem recorde por causa dos jogos

Em 2017 a Santa Casa registou um lucro de 42,4 milhões de euros, mais do dobro do que obteve em 2016. Os jogos da Santa Casa tiveram o melhor resultado de sempre.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) duplicou os seus lucros em 2017, para 42,4 milhões de euros, muito por via da faturação recorde dos jogos sociais, acima dos três milhões de euros. Na apresentação dos relatórios e contas da Santa Casa e do Departamento de Jogos, o provedor Edmundo Martinho anunciou ainda que a SCML terá disponível o Jogo Online até ao final deste mês e apostas hípicas no início do próximo ano.

Os jogos da Santa Casa tiveram em 2017 o melhor resultado de sempre, ultrapassando, pela primeira vez, o valor de três milhões de euros em vendas brutas, mais 9,1% em relação ao ano anterior. O resultado líquido dos jogos situou-se nos 729 milhões (675,5 milhões em 2016) e os resultados distribuídos pelos beneficiários (Estado e entidades) foi de 718 milhões. A raspadinha continua a ser a mais lucrativa, seguida do Placard e do M1lhão, um trio que rendeu 2.091 milhões para o total de vendas brutas.

Foram atribuídos mais de 1.700 milhões de prémios a apostadores. Como novidades, de acordo com o provedor, até ao final de maio deve “estar em condições para começar a operar no mercado nacional” o Jogo Online, desenvolvido com parceiros da economia social. As apostas hípicas, que a Santa Casa assumiu como intenção há alguns anos e até chegaram a ser anunciadas para o ano passado, devem começar a ser disponibilizadas no mercado nacional no início de 2019, com base em centros hípicos mundiais, pela inexistência em Portugal de corridas organizadas.

Quanto a lucros, a Santa Casa registou um lucro de 42,4 milhões de euros, mais do dobro do que obteve em 2016 (21,1 milhões de euros). Os rendimentos dos jogos representaram 84% das receitas correntes da Santa Casa, que ascenderam em 2017 a 261,8 milhões de euros (mais 10% do que no ano anterior). Do lado da despesa corrente, também houve um aumento de 5,7% em relação a 2016, o que a instituição explica pelo aumento em 12,4% de subsídios, bolsas e apoios financeiros e pelo aumento de 6,6% em gastos com pessoal. A despesa corrente da Santa Casa foi de 211 milhões de euros, 55% dos quais com a Ação Social e 25% com a saúde.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
309

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)