Rádio Observador

José Sócrates

PJ está a investigar corrupção na Parque Escolar — e tem feito visitas a escolas

1.205

Polícia Judiciária anda a visitar escolas que foram requalificadas pela Parque Escolar, por suspeitas de corrupção no Governo de José Sócrates, avança o jornal Expresso.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) está a investigar suspeitas de corrupção na Parque Escolar, o conhecido programa de renovação dos edifícios de escolas públicas lançado em 2007, durante o primeiro Governo de José Sócrates. O ex-primeiro-ministro foi acusado de corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada, no quadro da Operação Marquês, e a sua atuação enquanto líder do Governo está também a ser investigada em outros inquéritos judiciais como o que envolve as parcerias público privadas (PPP).

A investigação da PJ à Parque Escolar é noticiada pelo Expresso, que adianta que há 15 escolas cujas obras estão sob suspeita. Segundo aquele jornal, as autoridades procuram saber se todo o dinheiro orçamentado foi ou não aplicado nas obras da Parque Escolar.

Uma das instituições visitadas pela PJ foi a Escola Básica e Secundária Passos Manuel, em Lisboa, onde os inspetores terão tentado confirmar se todos os itens previstos no plano de construção existiam no local.

Segundo o Tribunal de Contas, o plano de requalificação daquela escola foi inicialmente orçamentado em 16,1 milhões de euros. Porém, as obras acabaram por derrapar até 23,6 milhões. Ou seja, entre o projeto e obra concluída, gastaram-se mais de 7,5 milhões de euros.

Já em 2012, o Tribunal de Contas referiu-se ao sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado daquela escola como sendo de “luxo”. Referindo que houve ali uma “má aplicação de dinheiros públicos levada a cabo pela Parque Escolar”, o Tribunal de Contas equiparou aquele sistema de aquecimento ao de um hotel caro. “Seria, em hotelaria, por exemplo, utilizado apenas em hotéis com categoria de 5 estrelas, facto mais do que revelador da total desadequação da opção técnica adotada para uma escola como a Passos Manuel”, lê-se naquele relatório de 2012.

Segundo o Expresso, o ar condicionado da Escola Básica e Secundária Passos Manuel, e também de outras, “passa a maior parte do tempo desligado porque os estabelecimentos de ensino não têm dinheiro suficiente para os custos de financiamento e manutenção”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)