Crescimento Económico

Crescimento da economia da zona euro e UE abranda no primeiro trimestre

O crescimento da economia da zona euro abrandou, em termos homólogos, no primeiro trimestre, para os 2,5%, e a da União Europeia (UE) para os 2,4%, segundo uma estimativa divulgada pelo Eurostat.

BORIS ROESSLER/EPA

O crescimento da economia da zona euro abrandou, em termos homólogos, no primeiro trimestre, para os 2,5%, e a da União Europeia (UE) para os 2,4%, segundo uma estimativa rápida divulgada esta terça-feira pelo Eurostat.

Face ao trimestre anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,4% quer na zona euro quer na UE, registando também um abrandamento.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, no quarto trimestre de 2017, o PIB da zona euro avançara 0,7% e o da UE 0,6% na variação em cadeia e 2,8% e 2,7%, respetivamente, na comparação homóloga.

A Letónia (5,2%), a Polónia (4,9%) e a República Checa (4,5%) foram os países cujos PIB mais subiram em termos homólogos, tendo a Dinamarca registado o único recuo (-0,8%).

Face ao trimestre anterior, a Letónia (1,7%), a Polónia (1,6%), a Hungria (1,2%) e a Finlândia (1,1%) foram as economias que mais cresceram, tendo as menores taxas sido assinaladas na Roménia (0,0%), no Reino Unido (0,1%) e na Dinamarca, Alemanha, França e Itália (0,3%). Em Portugal a economia cresceu, entre janeiro e março, 2,1% em termos homólogos e 0,4% na variação em cadeia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Que será de ti, Portugal?

Catarina Reis Carvalho
116

Ainda há muitos estereótipos a combater sobre igualdade do género na organização familiar. E será que estamos mesmo comprometidos em ter filhos ou ainda damos maior valor ao trabalho?

Educação

Petróleo /premium

João Pires da Cruz

Hoje não há recurso mais escasso que cabeças com raciocínio matemático. O petróleo, esse, bem ou mal, brota do chão em vários cantos do mundo. Mas pessoas que saibam pensar de forma abstrata, não.

CDS-PP

Liderar gerações

Francisco Rodrigues dos Santos

Dar lugar ao mérito não é deixar alguém entregue à sua sorte. Pelo contrário. É permitir que o Estado renove a autoridade, limitando-se às tarefas de providência para estar mais próximo dos cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)