Ensino Superior

Residências universitárias só garantem lugar para 12% dos estudantes deslocados

Os dados são avançados por um inquérito realizado pelo Ministério do Ensino Superior. O Plano Nacional Para o Alojamento no Ensino Superior vai ser apresentado esta quinta-feira em Coimbra.

AFP/Getty Images

Os dados de um inquérito realizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) em 2017, revelam que, dos 113.813 estudantes que estudam fora da sua área de residência, apenas 12% (13.971) têm direito a alojamento universitário, avança o jornal Público.

O inquérito, realizado em 29 instituições do ensino superior, constitui um dos instrumentos que estão na base do Plano Nacional Para o Alojamento no Ensino Superior, que vai ser apresentado esta quinta-feira em Coimbra. Uma das medidas passa pela oportunidade de as instituições de ensino superior públicas e as autarquias poderem recorrer a um fundo de reabilitação de edifícios se os quiserem disponibilizar para residências universitárias.

Fernanda Rollo, secretária de Estado do Ensino Superior, disse em declarações ao Público que este é um “problema que é bom”, pois é um reflexo do elevado número de alunos deslocados por todo o país e do sucesso na aposta na mobilidade estudantil. No entanto, acrescenta, a falta de respostas pode tornar-se num “condicionalismo negativo para a frequência do ensino superior”.

De acordo com os dados do inquérito, é na área metropolitana de Lisboa que se encontram o maior número de estudantes deslocados (27.732). Segue-se a região de Coimbra (16.791) e a Área Metropolitana do Porto (15.608). Já comparando com o número local de inscritos no ensino superior, os dados indicam que as regiões do Oeste e Douro têm os valores mais elevados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva
207

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Ensino Superior

Propinas: para que te quero? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Segundo a OCDE um licenciado ganha, em média, 69% acima de um diplomado do ensino secundário e fica menos tempo desempregado. Será justo que os impostos de pobres e ricos paguem o custo das propinas?

Ensino Superior

Das propinas e da ausência delas

João Pires da Cruz
177

Faz todo o sentido acabar com as propinas e acabar com a situação em que a educação superior é educação para os filhos dos ricos. Que são dois problemas de gestão e, como tal, possíveis de resolver. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)