Rádio Observador

Estranha Natureza

Sangue verde tóxico não provoca danos em lagartos da Nova Guiné

Os lagartos de sangue verde têm níveis de bílis verde 40 vezes mais altos que a concentração letal para os humanos. Para estes animais, o sangue verde até parece trazer vantagens.

Prasinohaema prehensicauda é uma das espécies de lagarto de sangue verde

Chris Austin, LSU

Autor
  • Agencia Sinc

O sangue verde é uma das características mais invulgares do reino animal. Porém, esta é uma marca distintiva de um grupo de lagartos da Nova Guiné, os Prasinohaema. Os seus músculos, mucosas e ossos são de uma cor verde lima intensa devido a altos níveis de biliverdina, um pigmento verde que existe na bílis, que é tóxico se entra no sistema circulatório e que provoca icterícia, a cor amarela da pele e das mucosas por acumulação de pigmentos biliares no sangue.

Surpreendentemente, este tipo de lagartos mantém-se saudáveis com níveis de bílis verde que são 40 vezes mais altos que a concentração letal para os humanos. “Além de ter a maior concentração de biliverdina registada em qualquer animal, estes lagartos desenvolveram de alguma maneira uma resistência à toxicidade do pigmento biliar”, assinala Zachary Rodríguez, investigador no Departamento de Ciências Biológicas da Universidade do Estado da Luisiana (Estados Unidos).

Para entender como é que estes lagartos não sofrem danos celulares ou deterioração da função hepática e se mantém livres de icterícia os investigadores examinaram 51 espécies de répteis — seis delas de sangue verde, duas das quais novas para a ciência. No total, os autores analisaram 27 espécimes de sangue verde e 92 de sangue vermelho que estavam intimamente relacionados.

Os resultados, publicados na revista Science Advances, revelam como evoluiu este traço nos lagartos. O estudo mostra que surgiram quatro linhagens separadas de lagartos de sangue verde que, provavelmente, partilham um ancestral comum de sangue vermelho.

A ação positiva da biliverdina

O sangue verde surgiu assim quatro vezes e de maneira independente em vários lagartos, o que sugere que pode ter um valor adaptativo. Níveis ligeiramente elevados de pigmentos biliares noutros animais, incluindo insetos, peixes e rãs, têm desempenhado papéis potencialmente positivos de estes animais.

Além disso, estudos prévios mostraram que o pigmento biliar pode atuar como antioxidante, eliminando radicais livres, assim como prevenir a enfermidade durante a fertilização in vitro. Contudo, a função do pigmento verde da bílis nestes répteis é incerta.

Prasinohaema virens é uma lagarto de sangue verde que vive nas terras baixas da Papua-Nova Guiné — Chris Austin, LSU

“Como parasitologista acho os lagartos de sangue verde da Nova Guiné fascinantes, porque se sabe que o outro produto hepático semelhante, a bilirrubina, é tóxico para os parasitas do paludismo humano”, declara Susan Perkins, professora do Instituto Sackler para a Genómica Comparativa e da Divisão de Zoologia de Invertebrados do Museu Americano de História Natural.

Os investigadores estudam agora o efeito possível do pigmento verde do sangue verde na malária e em outros parasitas que infetam estes lagartos. Também foram identificados os genes responsáveis deste sangue verde atípico.

Artigo original aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Feiticeiros ou profetas: conservar ou modernizar?

Tomas Roquette Tenreiro

É o confronto de duas perspectivas - a optimista e a pessimista - sobre como salvar o nosso planeta. A visão de feiticeiros e profetas através da história de dois deles, Norman Borlaug e William Vogt.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)