Fundos de investimento, obrigações e PPR. A declaração de rendimentos de Pedro Siza Vieira revela que o ministro adjunto tem mais de um milhão de euros investidos em vários bancos e gestoras de ativos. Segundo as contas do Eco, que foi analisar o documento submetido ao Tribunal Constitucional e relativo a finais de 2017, são 55 aplicações financeiras diversificadas, como manda a regra, por vários investimentos.

O documento indica que no exercício de 2016 Pedro Siza Vieira declarou rendimentos de 1,4 milhões de euros — a “fatia de leão” trata-se de rendimentos de trabalho independente, como advogado na firma Linklaters. Além desses rendimentos, Siza Vieira recebeu rendimentos de capitais e mais-valias relacionadas com os 55 investimentos mobiliários que tinha, pelo menos, àquela data.

No BPI o ministro adjunto comprou vários fundos de investimento (que, por sua vez, investem em tesouraria, ações e obrigações) — rondando 86 mil euros. Depois, é dono de uma carteira de títulos indiscriminada — 39 títulos avaliados em 860 mil euros. Entre essas está, segundo o Eco, uma aplicação gerida por um fundo da Pimco — um dos fundos de investimento penalizados pela decisão do Banco de Portugal de transferir, no final de 2015, títulos de dívida que tinham passado para o Novo Banco mas voltaram para o BES (o “banco mau”). Essas aplicações foram compradas em bancos como o Millennium BCP e a Caixa Geral de Depósitos, onde Siza Vieira também tem conta.

A pensar na reforma, Siza Vieira tem, também, planos de poupança e uma conta (em libras) no Citi cujo valor ascendia, no final de 2016, a 171 mil euros. Prosseguindo com a diversificação, Siza Vieira tem, ainda, 40 mil euros em obrigações do Tesouro — títulos de dívida emitidos pelo Estado português — e chegou a investir 5.000 euros em dívida da antiga PT Portugal.

Siza Vieira: “Não tinha noção” da incompatibilidade de cargos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Estes são os investimentos mobiliários do ministro adjunto, a que se juntam um apartamento em Lisboa e uma casa no concelho de Grândola — ambos sem qualquer hipoteca associada.

A Procuradoria-Geral da República confirmou esta quarta-feira que vai consultar a declaração de rendimentos entregue pelo ministro Adjunto Pedro Siza Vieira no Tribunal Constitucional, analisando a existência, ou não, de incompatibilidades no exercício das funções de Pedro Siza Vieira enquanto governante.

A decisão do Ministério Público vem no seguimento do reconhecimento do próprio Pedro Siza Vieira de que teria “cometido um lapso” ao assumir a gerência de uma empresa de familiar (de compra e venda de bens imobiliários e consultoria empresarial) pouco tempo antes de ter iniciado funções no Governo.

Ministério Público investiga incompatibilidade de ministro Siza Vieira