O Conselho Diretivo do Sporting, num comunicado assinado por Fernando Correia, porta-voz do presidente, Bruno de Carvalho, emitiu esta segunda-feira maus uma nota de imprensa para abordar algumas das notícias que têm vindo a público sobre os leões. Logo na primeira, no seguimento das declarações de Octávio Machado num programa da CMTV onde garantiu ter existido uma abordagem do Benfica para saber mais sobre a situação e disponibilidade de Rui Patrício, guarda-redes que rescindiu na passada semana contrato com o conjunto verde e branco, o clube anunciou que irá fazer uma participação contra o rival nos tribunais e na FIFA por “assédio ilegal e contra todas as normas em vigor” feito a jogadores.

Das SMS e posts de Bruno de Carvalho ao que não se sabia da Academia: os argumentos de Patrício para a rescisão

Ao mesmo tempo, a nota de imprensa volta de novo a falar sobre a transferência falhada do antigo capitão para os ingleses do Wolverhampton, reforçando a questão feita à Gestifute se houve ou não o pedido de um valor acima dos sete milhões de euros para o acordo. “Esta Comissão Executiva em momento algum aceitou, ou assumiu o compromisso, de liquidar uma suposta dívida de quatro milhões de euros à Gestifute pela venda do passe do jogador Adrien Silva, nem relativamente a Rui Patrício”, destaca a missiva, que detalha os moldes do negócio pedidos e propostos, que passaram de 18 milhões a 24 meses mais dois milhões variáveis e uma percentagem de 15% numa futura mais valia para 18 milhões a 34 meses, 10% de mais valia e sem valores variáveis. “Nunca cederemos as chantagens”, vinca.

Jorge Jesus pode estar de saída, William a caminho de Inglaterra (e sem rescisão)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por fim, o comunicado sublinha que todas as conversas sobre o futuro de Jorge Jesus no Sporting estão a ser conduzidas por Bruno de Carvalho (e não por Augusto Inácio, diretor geral do futebol, como chegou a ser referido em alguns órgãos) e pede a Jaime Marta Soares, líder demissionário da Mesa da Assembleia Geral, para enviar qualquer email sobre reuniões magnas e afins para Elsa Tiago Judas, líder da Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral.

Marta Soares formaliza AG de destituição (com aviso por email para a Direção) antes das manifs em Alvalade

O comunicado na íntegra assinado pelo porta-voz de Bruno de Carvalho, Fernando Correia, foi o seguinte:

1 – A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD vai avançar com uma acção em tribunal, e também com uma participação à FIFA, contra a Sport Lisboa e Benfica, SAD, devido ao assédio ilegal e contra todas as normas em vigor, feito a jogadores do Sporting CP, acção essa que foi confirmada na noite de ontem por Octávio Machado, que, por manifesto e evidente conhecimento dos factos, será por nós arrolado como testemunha.

2 – Em relação às notícias que os jornais insistem em publicar, nas quais fazem a ´defesa´da posição da Gestifute no processo da transferência do jogador Rui Patrício, ignorando a chantagem exercida sobre a Sporting CP – Futebol, SAD, não é de mais voltar a sublinhar a questão ontem colocada, uma vez que não obteve, até ao momento, qualquer resposta: é ou não verdade que a Gestifute exigiu o pagamento de uma verba superior a sete milhões de euros para concluir o negócio com o Wolverhampton, relativamente a assuntos que nada tinham a ver com a transação?

Importa esclarecer que a Comissão Executiva da SAD é um órgão colegial, composto por quatro elementos, e que as decisões são tomadas em conjunto. Esta Comissão Executiva em momento algum aceitou, ou assumiu o compromisso, de liquidar uma suposta dívida de quatro milhões de euros à Gestifute pela venda do passe do jogador Adrien Silva, nem relativamente a Rui Patrício. É nosso entendimento que esse pressuposto, contido no contrato assinado entre o jogador (e já agora, também no de Rui Patrício) e a Sporting CP – Futebol, SAD, em 2012, deixou de ser válido a partir do momento em que um novo contrato foi assinado entre as partes, em 2016. Não se tratou, então, de uma renovação, mas sim da elaboração de um novo contrato. É esse o nosso entendimento. Entretanto, o jogador Adrien Silva foi transferido há quase um ano, e se a Gestifute se considerava credora desses quatro milhões, porque razão apenas enviou uma simples carta para a SAD e quando as suas pretensões foram recusadas não acionou os mecanismos legais para, então, resolver o diferendo nos tribunais?

Em conformidade com o exposto, vale a pena relembrar que a Comissão Executiva aceitou, desde a primeira hora, realizar o negócio da transferência de Rui Patrício para o Wolverhampton desde que as condições fossem, como nos tinha sido garantido, semelhantes às apresentadas pelo Nápoles, ou seja: 18 milhões de euros, a pagar em 24 meses, ficando a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD com uma possível mais-valia de 15 por cento numa futura transferência, e onde sempre foi exigido pela Sporting SAD mais dois milhões em variáveis. Mas o que nos foi apresentado dilatava o prazo de pagamento para 34 meses e atribuía uma compensação por mais-valia futura em apenas 10 por cento e sem variáveis.

Mais: a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD fez uma pesquisa de mercado no sentido de descontar no imediato os 18 milhões de euros a serem pagos pelo Wolverhampton, e as melhores propostas que nos foram apresentadas cobravam o triplo em juros do que pediam estas mesmas entidades financeiras, caso o clube comprador fosse o Nápoles. Assim, informámos o Wolverhampton de que o negócio teria de ser feito por 20 milhões de euros, por forma a compensar esse aumento dos juros, mantendo todas as restantes condições propostas pelo Nápoles. Por volta das 23h30 da passada quinta-feira, o representante da Gestifute perguntou a um dos membros da Comissão Executiva da SAD, Guilherme Pinheiro, se aquela seria a posição da Sporting CP – Futebol, SAD. Foi-lhe dito que sim, não recebendo este membro da Comissão Executiva da Sporting SAD qualquer resposta de volta. No dia seguinte percebemos, ao ler os jornais, que a ‘contraproposta’ da Gestifute era o pedido de rescisão do contrato de Rui Patrício.

Reafirmamos o que já dissemos: se a transferência de Rui Patrício nos for proposta, hoje, nas exatas condições em que a aceitámos (18 milhões de euros pagos em 24 meses, com uma possível mais-valia futura de 15 por cento, com as variáveis e com semelhantes condições de juros ao nível da antecipação da cobrança da verba), o negócio será fechado, mas nunca cederemos a chantagens.

3 – Temos lido notícias nestes últimos dois dias em relação ao futuro do nosso treinador, Jorge Jesus, informações essas que não estão a ser tornadas públicas pelo lado da Sporting CP – Futebol, SAD. Todas as conversas sobre o futuro de Jorge Jesus no clube estão a ser conduzidas exclusivamente pelo Presidente Bruno de Carvalho.

Numa primeira fase, as notícias sobre a possível saída de Jorge Jesus sublinhavam como negativo para a SAD, o ´facto´ de ter de pagar ao treinador cerca de 8 milhões de euros para obter a desvinculação e que o mesmo seria um acto de gestão danosa pelo montante envolvido. Agora, numa nova versão, insistem os jornais que deixar partir o treinador a custo zero, pagando-lhe apenas o salário de Junho, é, também, prejudicial para a SAD, ou porque a SAD queria uma compensação financeira e não lhe foi dada, ou porque a SAD teve de ceder a uma suposta chantagem do treinador, que accionaria uma justa causa para sair.

O mau jornalismo é mesmo isto. Os mesmos órgãos de comunicação social contam uma versão e o seu inverso, de forma despudorada e completamente manipuladora da opinião pública.

4 – Aproveita, ainda, o Sporting Clube de Portugal para informar o Comendador Jaime Marta Soares, nosso associado, já que o mesmo anda a informar a Comunicação Social de cada email que faz, que qualquer comunicação que entenda dever fazer, sobre Assembleias Gerais ou similares, com o Clube deve ser dirigida à Dra. Elsa Judas, Presidente da Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral.