A OutSystems, empresa de desenvolvimento de aplicações de software, divulgou que, depois de ter conseguido levantar 360 milhões de dólares (cerca de 308 milhões de euros) numa ronda de investimento, ficou com uma valorização superior a mil milhões de dólares, o que a torna no segundo unicórnio com origem portuguesa a seguir à Farfetch.

A ronda de investimento foi conseguida devido aos fundos da KKR e da Goldman Sachs. Segundo comunicado da empresa enviado às redações, o capital vai servir para expandir os atuais negócios da empresa e para desenvolver a área de automação de software da empresa.

Segundo Paulo Rosado, a OutSystems está a resolver “um dos maiores problemas velocidade e agilidade do desenvolvimento tradicional de software”. O executivo afirmou ainda: “Vemos as empresas a lidarem com isto todos os dias e estamos entusiasmados com esta parceria com a KKR e Goldman Sachs para resolver esse problema, trazendo mais inovação aos nossos clientes e redefinindo o futuro do desenvolvimento do software empresarial”. O investimento surgiu depois de “um ano recorde para a empresa”, disse ainda Paulo Rosado.

Para Stephen Shanley, da KKR, o investimento é apenas o “início do que será um longo período de crescimento significativo no mercado de desenvolvimento de aplicações low-code”. O investidor afirma ainda que a empresa de Paulo Rosado é “líder” no mercado onde atua.

A OutSystems foi fundada em 2001 e conta na sua carteira de clientes com grandes empresas como Logitech, Deloitte ou Ricoh. A OutSystems desenvolve programas informáticos personalizados que recorrem a inteligência artificial para melhorar a eficiência nas empresas. O software low-code permite desenvolver aplicações de forma mais rápida e eficiente.

Segundo o mesmo comunicado, a OutSystems tem receitas acima dos 100 milhões de dólares. Apesar de ter sido fundada em Portugal, a sede é em Atlanta, na Georgia, nos Estados Unidos da América.