Segurança Informática

Costa quer acelerar “cluster” da cibersegurança em Portugal

No final de uma visita à Cisco, na Califórnia, o primeiro-ministro considerou que o desafio da cibersegurança "é um setor em que Portugal está a desenvolver um cluster importante" no plano europeu.

NUNO VEIGA/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta terça-feira que Portugal quer apostar no desenvolvimento do ‘cluster’ da cibersegurança e no fornecimento dos serviços das tecnológicas norte-americanas a partir do país para mercados terceiros.

António Costa falava no final de uma visita à multinacional norte-americana Cisco, em Silicon Valley, na Califórnia, que tem em Portugal cerca de 400 trabalhadores entre os centros de Braga e Oeiras. “A Cisco é um parceiro muito importante na modernização tecnológica de Portugal – e desejamos que continue a ser. Esperamos que forneça não apenas serviços para Portugal, mas serviços a partir de Portugal para o conjunto do mundo”, declarou o líder do executivo.

Tendo ao seu lado o vice-presidente da Cisco, Mark Chandler, António Costa referiu-se à principal área de atividade desta tecnológica e considerou que o desafio da cibersegurança “é um setor em que Portugal está a desenvolver um cluster importante” no plano europeu. “Vamos ter a escola na NATO focada na cibersegurança e há outras empresas tecnológicas que estão a instalar em Portugal os seus centros de competências. Esperamos que a Cisco continue a investir no nosso país”, disse.

Neste contexto, a presidente da Cisco Portugal, Sofia Tenreiro, considerou que a sua tecnológica está interessada em aumentar os investimentos em Portugal, “até por causa de toda a inovação que está a acontecer a partir do país”. “A criação de startups está a trazer investimento de muitas outras companhias para Portugal. Queremos ajudar Portugal na sua transformação digital, em particular na cibersegurança que é a área número um para muitas empresas – e, naturalmente, prioridade número um para a Cisco”, afirmou.

Aos jornalistas, Sofia Tenreiro, falou em projetos para gestão de tráfego e de lixo nos centros urbanos. “É preciso que os camiões do lixo não passem por todas as ruas, poupando-se em termos de custos e aumentando-se a eficiência da operação”, referiu a título de exemplo.

O primeiro-ministro pegou nestas palavras e identificou duas áreas de interesse comum entre a Cisco e as autoridades portuguesas. “O wifi livre, porque ajuda a modernizar o país – e é uma oportunidade de negócio para a Cisco. E a outra área, obviamente, é a da cibersegurança. Portugal é hoje um país muito atrativo para a localização de empresas. Estar do outro lado do Atlântico, no mundo de hoje, já não é uma barreira”, acentuou o líder do executivo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Relações Internacionais

A nova economia política /premium

Manuel Villaverde Cabral

A imprensa diz que o FMI foi ultrapassado pelos acontecimentos e já se identificaram os países que poderão vir a estar na linha de mira dos especuladores. A única defesa de Portugal é a União Europeia

Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)