Energia

Portugal quer metas mais ambiciosas do que estabelecidas pela UE sobre renováveis

Segundo o o secretário de Estado da Energia, Portugal tinha "uma meta anteriormente estabelecida para 2020 de 31%" de obtenção de energia através de fontes renováveis, mas esse valor "está adquirido".

JOSE SOUSA DIAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Governo defendeu esta quinta-feira metas mais ambiciosas do que as estabelecidas pela União Europeia para a energia obtida através de fontes renováveis, que deverá chegar aos 32% em 2030, argumentando que o país já está a trabalhar para “valores superiores”.

O Parlamento Europeu (PE) e o Conselho da UE chegaram a acordo sobre a proposta da Comissão Europeia e que estabelece uma meta obrigatória de 32% de energia obtida de fontes renováveis até 2030, um equilíbrio entre os 27% aprovados em dezembro pelos Estados-membros e os 35% pedidos pelo PE.

Reagindo a tal acordo, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, disse à Lusa que estas metas “são menos ambiciosas do que foi a posição portuguesa”. “Estivemos sempre entre os países com as metas mais ambiciosas a este nível. Percebemos que esta é uma solução de compromisso, mas batemo-nos pelos valores mais altos porque isso faz todo o sentido”, acrescentou.

De acordo com o governante, Portugal tinha “uma meta anteriormente estabelecida para 2020 de 31%” de obtenção de energia através de fontes renováveis, mas esse valor “está adquirido”, pelo que Portugal está “a trabalhar com valores muito superiores”.

Jorge Seguro Sanches lembrou que o país se vinculou à meta de ter neutralidade carbónica em 2050. “E, portanto, o nosso trabalho que está a ser feito neste momento é no sentido de que a incorporação de renováveis seja superior até essas metas que estão estabelecidas”, vincou.

Assim, em relação às renováveis Jorge Seguro Sanches apontou uma meta de 35% até 2030, defendendo também “valores ambiciosos”, que não especificou, para a eficiência energética, sublinhando a necessidade de tais percentagens serem vinculativas. “Ou seja, não devem ser apenas indicativas, mas devem respeitar aquilo que são objetivos firmes por parte de cada um dos países”, completou.

O secretário de Estado da Energia argumentou ainda que, “à semelhança do que acontece na livre circulação de pessoas, bens e capitais que existe na União Europeia, também se devem criar as infraestruturas nos países e entre os países para que existe uma verdadeira livre circulação de energia no espaço da União Europeia”, desde logo através de interligações elétricas.

“Isto faz sentido […] não só para nós podermos exportar a nossa energia renovável – Portugal é um país que consegue produzir muita energia renovável -, mas também pelo facto de podermos também adquirir energia mais barata a outros países”, adiantou Jorge Seguro Sanches.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/energias-renovaveis/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”159″ slug=”energias-renovaveis” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/energias-renovaveis/thumbnail?version=1522773722514&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

O novo quadro regulamentar aprovado pelos colegisladores inclui uma meta vinculativa em matéria de energias renováveis para a UE para 2030, de 32%, com uma cláusula de revisão em alta até 2023.

Até 2020, recorde-se, 20% da energia consumida tem que ser proveniente de fontes renováveis, que são as provenientes de recursos naturais (rios, vento, biomassa, Sol, ondas do mar e calor da Terra) que se renovam de forma natural e regular, de um modo sustentável, mesmo depois de serem usadas para gerar eletricidade ou calor.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Partidos e Movimentos

Uma alternativa à Geringonça

Carlos Guimarães Pinto

As hipóteses eleitorais da Iniciativa Liberal são as de um partido novo sem figuras do sistema politico-mediático nem apoio de um grupo de comunicação como sucede com Santana/Impresa e Ventura/Cofina.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)