Quinze minutos, nem mais nem menos, foi quanto tempo durou o espetáculo de Robbie Williams ao lado da soprano russa Aida Garifullina para no pontapé de saída do Campeonato do Mundo na Rússia. O reportório escolhido pelo artista britânico podia ser perfeitamente reutilizado para uma daquelas festas de regresso aos anos noventa que tanta fama têm ganho ultimamente, mas serviu apenas para que toda a gente soubesse a letra das canções.

Robbie Williams cantou “Angels”, “Let Me Entertain You” e “Rock DJ”. Pelo meio ainda arranjou espaço para mostrar o dedo do meio numa forma de responder a quem o criticou por ter aceite o convite para atuar na Rússia. Foi o momento alto de um espetáculo flamboyant que contou com um pouco de ópera russa, um pássaro a recordar uma Fénix de fogo renascida das cinzas, malabaristas e alguns números dignos de um circo.

“Fiz isto de graça”. Robbie Williams responde às críticas ao mostrar dedo do meio na cerimónia de abertura

Além de Robbie Williams, outros dois homens deram nas vistas no estádio Luzhnicki: o primeiro foi Iker Casillas, que foi convidado para exibir o troféu do Campeonato do Mundo para um estádio cheio com 80 mil adeptos — uma espécie de regresso a 2010, quando o capitão espanhol se sagrou campeão mundial de futebol. O segundo foi Ronaldo “Fenómeno”, que esteve ao lado dos cantores e da mascote do Mundial no fim do espetáculo.

O ponto final das atuações foi dado quinze minutos antes da Rússia e da Arábia Saudita terem entrado em campo para o primeiro jogo do Mundial 2018.

Cristiano Ronaldo: “Estou bem, vamos ganhar à Espanha”