A CP – Comboios de Portugal vai retomar a partir do dia 30 as viagens turísticas do “Comboio Histórico do Vouga”, entre Aveiro e Macinhata do Vouga, anunciou esta terça-feira a empresa.

“Após o enorme sucesso registado em 2017, o Comboio Histórico do Vouga regressa aos carris, todos os sábados, entre 30 de junho e 13 de outubro, circulando, este ano, também aos domingos, entre 15 de julho e 26 de agosto, num total de 23 circulações”, dá conta a CP numa nota de imprensa.

O Comboio Histórico do Vouga é uma composição antiga, formada por três carruagens de madeira dos primeiros anos do século XX, rebocada por uma locomotiva diesel de 1964, que conserva as características originais. Terá partida da Estação de Aveiro às 13:40 e regressa de Macinhata do Vouga às 16:25, incluindo no percurso visitas à cidade de Águeda e ao Núcleo Museológico de Macinhata do Vouga.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/cp-comboios-de-portugal/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”659″ slug=”cp-comboios-de-portugal” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/cp-comboios-de-portugal/thumbnail?version=1526576758009&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

O passeio, que terá animação a bordo e degustação de produtos regionais, custa 30 euros para adulto e 16,5 euros para crianças, beneficiando de uma redução de 25 por cento se for adquirido em conjunto com a viagem no Comboio Histórico do Douro.

As viagens de longo curso, em Alfa Pendular, Intercidades e Regional, (com destino e origem na Estação de Aveiro), compradas em simultâneo com a viagem no Comboio Histórico do Vouga, beneficiam de uma redução de 30% e as viagens, de ida e volta, nos comboios Urbanos do Porto, do preço único de dois euros.

O Comboio Histórico do Vouga resulta de uma parceria entre a CP – Comboios de Portugal, a Câmara Municipal de Águeda e a Junta de Freguesia de Macinhata do Vouga.

Em maio, o deputado do PSD Amadeu Albergaria havia pedido ao ministro do Planeamento e das Infraestruturas para esclarecer se o comboio turístico na Linha do Vouga seria mantido, já que em 2017 havia arrancado “com uma taxa de ocupação de 85%, na parte final esteve esgotado”.