Rádio Observador

Caso Maddie

Caso Maddie. TVI condenada a pagar 20 mil euros a Robert Murat

O britânico que a TVI chegou a apontar como principal suspeito no desaparecimento de Maddie, em 2007, e que foi chamado de "pedófilo" vai ser indemnizado em 20 mil euros.

ANTONIO COTRIM/EPA

A TVI foi condenada a pagar 20 mil euros a Robert Murat, o britânico que foi identificado por aquela estação de televisão como “pedófilo” em várias peças televisivas, incluindo em emissão em direto, no caso do desaparecimento da pequena Maddie, em maio de 2007. Num acórdão datado de junho, o Supremo Tribunal de Justiça obriga a TVI ao pagamento de 20 mil euros ao britânico que, na sequência do desaparecimento da criança, chegou a ser considerado suspeito e foi até constituído arguido, escreve a revista Sábado.

O britânico que foi publicamente acusado de frequentar sites pedófilos vai receber 16 mil euros da TVI e outros 4 mil euros do jornalista que o chamou de pedófilo na televisão. No acórdão lê-se que, na sequência destas acusações, Robert Murat “era apontado e incomodado sempre que saía à rua”, “recebeu ameaças dirigidas a si e aos seus familiares”, “passou a evitar sair à rua, a disfarçar-se quando o fazia e mudou de casa” e “procurou ajuda psiquiátrica”. O acórdão refere ainda que Robert Murat ficou sem trabalho e ficou, consequentemente, economicamente dependente da mãe, algo que não acontecia desde os 16 anos. À data, o britânico tinha 35 anos.

As indemnizações arbitradas, a liquidar pela BB, SA, no valor de € 16.000,00, e a liquidar pelo réu CC, no valor de € 4.000,00, revelam-se, no contexto, equitativamente fixadas e proporcionadas para ressarcir o autor dos danos não patrimoniais provados, lê-se no acórdão de junho.

O tribunal considerou que Robert Murat foi identificado pela TVI como “pedófilo” e que “a divulgação, em emissão televisiva, de que o autor frequentava ‘sites’ pedófilos e a designação do mesmo como ‘britânico pedófilo’ é, objetivamente, ofensiva do bom nome”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Justiça

Desconstruir tribunais vazios

Luís Gouveia Fernandes

Seria de esperar de um plano que planeia que definisse o que fazer com tribunais que deixam de o ser. Edifícios vazios e desintegrados não têm de continuar até à eternidade. As populações agradeceriam

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)