Benfica

E-toupeira. Toupeira do Benfica consultou 385 vezes os processos em segredo de Justiça

511

José Silva, a alegada toupeira que o Benfica utilizava para aceder a processos em segredo de Justiça, consultou ilegalmente investigações 385 vezes. Vai permanecer em prisão preventiva.

Paulo Gonçalves, antigo assessor jurídico do Benfica, é arguido na operação e-toupeira

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Os juízes desembargadores do Tribunal da Relação de Lisboa decidiram que José Silva, o funcionário judicial acusado de ser a “toupeira” do Benfica, vai continuar em prisão preventiva. Os magistrados concordaram com a decisão do Ministério Público, que tinha indiciado José Silva pelos crimes de corrupção, violação do segredo de Justiça, favorecimento pessoal, peculato e acesso ilegítimo.

De acordo com o semanário Expresso, que teve acesso ao acórdão, José Silva acedeu 385 vezes a dez processos diferentes que envolvem o Benfica e estão em segredo de Justiça. O acessos, feitos de forma ilegal pelo funcionário dos tribunais de Guimarães e Fafe, aconteceram entre julho de 2017 e janeiro de 2018.

O jornal revela ainda que os acessos aconteciam diariamente e, por vezes, várias vezes por dia. De acordo com o acórdão, os outros arguidos na operação e-toupeira estavam a par das alterações nos processos praticamente em tempo real e tinham informação privilegiada sobre detalhes importantes.

A investigação judicial acredita que José Silva acedia aos processos em segredo de Justiça com as passwords de duas procuradoras do Ministério Público assim como de outros dois funcionários judiciais (um já reformado). De recordar que, até ao momento, só se sabia que José Silva tinha utilizado as credenciais da magistrada Ana Paula Vitorino, atual assessora de Maria José Morgado no DIAP de Lisboa.

A defesa de José Silva assume os acessos indevidos mas defende que é impossível concluir que o funcionário judicial tenha consultado todas as informações presentes nos dez processos em segredo de Justiça. “É tecnicamente impossível no programa informático dos tribunais portugueses aceder aos documentos propriamente ditos mas somente à visualização da movimentação processual”, indica o acórdão, citado pelo Expresso.

Já os juízes desembargadores da Relação de Lisboa garantem que existiu corrupção por parte de Paulo Gonçalves, antigo assessor jurídico do Benfica, não só através de camisolas oferecidas mas também com bilhetes para jogos e a promessa de um emprego para o sobrinho de José Silva. A defesa do funcionário judicial argumenta que não existiu qualquer contrapartida acordada entre as duas partes.

De recordar que, além de José Silva, são arguidos no caso e-toupeira Paulo Gonçalves, antigo assessor jurídico do Benfica, Júlio Loureiro, oficial de Justiça, Óscar Cruz, empresário de futebol, e José Ribeiro, um outro funcionário judicial já reformado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)