Rádio Observador

Banca

Bankinter Portugal quer apostar no negócio de empresas e dar mais crédito

O Bankinter Portugal quer reforçar o negócio junto das empresas, depois de no primeiro semestre ter aumentado em 50% o total do crédito concedido a estas para 1.200 milhões de euros.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Bankinter Portugal quer reforçar o negócio junto das empresas, depois de no primeiro semestre ter aumentado em 50% o total do crédito concedido a estas para 1.200 milhões de euros, segundo o subdiretor financeiro, Alfonso Alfaro. Em declarações à Lusa, depois de a semana passada terem sido conhecidos resultados do grupo Bankinter, o subdiretor financeiro do Bankinter afirmou que a banca de empresas é “muito rentável e boa em Espanha” e que o grupo quer replicar isso em Portugal.

“Começámos quase do zero o banco de empresas [em Portugal], que é muito rentável e bom em Espanha, e queremos que também o seja em Portugal”, vincou. Aliás, disse, a ideia é replicar em Portugal toda a operação de Espanha e apostar em segmentos de negócio: “O que pretendemos em Portugal não é ser um banco de retalho como BCP ou Caixa Geral de Depósitos, mas sermos bons em alguns segmentos, como banca ‘private’, ‘affluent’ [clientes de rendimentos mais elevados], empresas, consumo”.

Na quinta-feira foi divulgado que o grupo bancário espanhol Bankinter (que está presente em Portugal desde 2016) teve um lucro de 261 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, um aumento de 8,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Para a operação em Portugal apenas foram divulgados os resultados antes de impostos (uma vez que a sucursal em Portugal consolida em Espanha), que subiram 66% para cerca de 31,2 milhões de euros. Para Alfonso Alfaro, estes resultados são “muito bons” e “melhor do que esperados em Portugal”, destacando que a maior parte dos lucros vieram de negócio recorrente (margem financeira e comissões).

No primeiro semestre, segundo dados divulgados do banco, o Bankinter Portugal representou 7% da margem bruta do grupo, sendo a carteira de crédito de 5.200 milhões de euros no final de junho, o que representa 12% do que no mesmo período de 2017. O crédito à habitação era em junho de 3.800 milhões de euros, mais 3% do que no mesmo mês do ano passado.

O Bankinter destaca que, em Portugal, a produção de novo crédito à habitação foi de 6% nos últimos 12 meses, acima da quota do Bankinter em Portugal, que é de apenas 1%. Já os recursos de clientes (em que se incluem os depósitos) cresceram 4% para 4.200 milhões de euros. Sobre o crescimento do negócio em Portugal, Alfonso Alfaro pôs de parte eventuais aquisições, dizendo que o banco quer crescer organicamente.

Quanto à nova legislação que impõe aos bancos deduzirem os juros negativos no crédito à habitação, o responsável do Bankinter não quis dizer os créditos do Bankinter Portugal impactados, afirmando apenas que “são muito poucos”. O grupo espanhol Bankinter está em Portugal desde 2016, quando comprou parte da atividade e a rede comercial do Barclays. Tem, atualmente, 81 agências e cerca de 800 trabalhadores e uma quota de mercado de cerca de 1%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)