Conservação da Natureza

Maior colónia de pinguins-rei do mundo perdeu 90% da população

O número de pinguins-rei da maior colónia do mundo caiu de dois milhões para duzentos mil espécimes em três décadas.

Getty Images

O número de pinguins-rei na ilha francesa de Île aux Cochons — localizada a cerca de meio caminho entre a ponta sul do continente africano e a Antártica — caiu de dois milhões para duzentos mil espécimes em três décadas.

Segundo o artigo publicado na Antarctic Science que recorreu a imagens satélite do local, a colónia sofreu uma diminuição de 90% da sua população. Esta é considerada a maior colónia do mundo desta espécie de pinguins. “É completamente inesperado, e particularmente significativo porque esta colónia representa quase um terço dos pinguins-rei em todo o mundo”, notou Henri Weimerskirch, o autor principal do estudo.

As causas para esta redução acentuada da população não são ainda conhecidas. Contudo, o ecologista do Centro de Estudos Biológicos de Chize, França, que acompanha a colónia dos 1982, assinalou que as alterações climáticas poderão estar a afetar a população.

De acordo com o cientista, em 1997, um evento climatérico particularmente forte associado ao El Niño aqueceu a parte sul do Oceano Índico, puxando peixes e moluscos — fonte de alimento — mais para sul, para fora do alcance dos pinguins. “Isto resultou numa diminuição da população e em pouco sucesso na reprodução em todas as colónias da região”, afirmou Weimerskirch citado pelo The Guardian.

O El Niño é um evento cíclico, com uma periodicidade que varia entre dois e sete anos, mas que pode ser intensificado pelo aquecimento global. Um outro estudo cientifico de Weimerskirch prevê que, devido às alterações climáticas, a Île aux Cochons irá tornar-se inabitável para os pinguins-rei. Neste cenário, a migração da população seria inviável, uma vez que não existem ilhas com as caraterísticas necessárias à sobrevivência da espécie no raio de alcance dos pinguins.

Outro dos fatores que pode estar a afetar esta colónia é o excesso de população da colónia. “Quanto maior a população, maior a competição entre os indivíduos”, destacou o comunicado do Centro Nacional de Investigação Científica de França, que financiou o estudo. “As consequências da falta de alimento são assim amplificadas e podem desencadear uma queda drástica dos números sem precedentes.”

Há ainda a possibilidade desta colónia estar a ser dizimada pela cólera aviária, uma doença que está a afetar outras populações de aves marítimas na região. Outras das hipóteses consideradas pelos cientistas é a chegada de uma espécie invasora — ratos, ratazanas ou gatos — à ilha. Em qualquer dos cenários, os investigadores só vão conseguir identificar com cezteza as causas para este fenómeno quando voltarem a visitar a ilha, expedição que está prevista para 2019.

O pinguim-rei é a segunda maior espécie de pinguins em número, apenas superada pelo pinguim-imperador. De acordo com a Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional da Conservação da Natureza (conhecida pela sigla em inglês IUCN), a espécie encontra-se num estado de conservação “pouco preocupante”. Contudo, os novos dados podem justificar uma reavaliação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos

José Miguel Pinto dos Santos
344

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)