Depois de entrarem num laboratório, um homem e uma mulher que não se conheciam apaixonaram-se. Seis meses depois casaram e convidaram o laboratório inteiro para a cerimónia. Dito assim, parece algo estranho, mas é verdade. Tudo isto surgiu de um estudo — bem sucedido — conduzido pelo psicólogo Arthur Aron. Confuso? Vamos explicar.

Em conjunto com outros autores, Aron criou um guião com 36 perguntas distribuídas por três conjuntos diferentes, através das quais ele dizia que as pessoas se podiam apaixonar uma pela outra. A ideia é fomentar uma atmosfera de intimidade e, de certa forma, de vulnerabilidade, e, a partir daí, é possível que prospere uma relação romântica, lê-se no jornal The Telegraph.

Para testar a teoria, convenceu 52 mulheres e homens a responderem às questões. Cada membro do “casal improvisado” entrou por portas distintas e sentou-se frente a frente, revelando, através da respostaàs perguntas, pormenores íntimos e da sua vida pessoal. No fim, e durante quatro minutos, as duas pessoas tiveram de olhar-se nos olhos em silêncio.

O estudo deu apenas origem a um casamento, mas a verdade é que, no seu conjunto, o guião elaborado pelo psicólogo acelera a intimidade entre as duas pessoas que se sentam frente a frente, pelo que o facto de se começarem a sentir mais próximos pode acelerar também o início de uma relação.

O questionário começa com perguntas simples, como “Gostava de ser famoso?” ou “O que considera um dia “perfeito”?”, mas rapidamente muda o foco para questões íntimas sobre a relação da pessoa com a mãe ou sobre a morte de familiares. As 36 perguntas foram publicadas pela primeira vez em 1997 e, há três anos ganharam popularidade com o artigo “To Fall In Love With Anyone Do This” publicado no jornal  The New York Times. Deixamos abaixo as perguntas divididas em três partes, caso queira experimentar a dois.

Primeira parte

  1. Podendo escolher qualquer pessoa no mundo, quem gostaria de convidar para jantar?
  2. Gostava de ser famoso? De que forma?
  3. Ensaia o que vai dizer antes de fazer uma chamada telefónica? Porquê?
  4. O que constitui um dia “perfeito” para si?
  5. Quando foi a última vez que cantou para si mesmo? E para outra pessoa?
  6. Se pudesse viver até aos 90 anos de idade com a mente ou o corpo de uma pessoa de 30 anos, o que escolheria?
  7. Tem algum pressentimento sobre a forma como vai morrer?
  8. Diga três coisas que você e o seu parceiro parecem ter em comum.
  9. Pelo que é que se sente mais grato na vida?
  10. Se pudesse mudar alguma coisa na forma como foi educado o que seria?
  11. Tire quatro minutos do seu tempo e conte ao parceiro/a a história da sua vida com o máximo de detalhes possível.
  12. Se amanhã acordasse com uma nova qualidade ou habilidade, o que seria?

Segunda parte

  1. Se uma bola de cristal pudesse dizer a verdade sobre si, sobre a sua vida, sobre o futuro ou sobre qualquer outra coisa, o que quereria saber?
  2. Há alguma coisa que sonhe fazer há muito tempo? Porque é que ainda não o fez?
  3. Qual é a maior realização na sua vida?
  4. O que é que valoriza mais na amizade?
  5. Qual é a sua memória mais querida?
  6. Qual é a sua memória mais terrível?
  7. Se soubesse que dentro de um ano iria morrer de repente, mudava alguma coisa na forma como está a viver agora? Porquê?
  8. O que significa a amizade para si?
  9. Que papéis desempenham o amor e o afeto na sua vida?
  10. Partilhe alternadamente algo que considere ser uma característica positiva no seu parceiro. Partilhe um total de cinco itens.
  11. Quão próxima e calorosa é a sua família? Acha que a sua infância foi mais feliz que a da maioria das outras pessoas?
  12. Como se sente relativamente à relação que tem com a sua mãe?

Terceira parte

  1. Faça três declarações honestas na primeira pessoa do plural. Por exemplo, “Estamos os dois nesta sala a sentirmo-nos…”
  2. Complete a frase: “Gostava de ter alguém com quem pudesse partilhar…”
  3. Se se tornasse amigo íntimo do seu parceiro, partilhe o que seria importante ele saber.
  4. Diga ao seu parceiro aquilo que gosta nele. Seja honesto desta vez, dizendo coisas que não diria a alguém que acabou de conhecer.
  5. Partilhe com o seu parceiro um momento embaraçoso na sua vida.
  6. Quando foi a última vez que chorou em frente a alguém? E sozinho?
  7. Diga ao seu par uma coisa que já goste nele.
  8. O que é que, se é que há alguma coisa, é demasiado sério para ser motivo de brincadeira?
  9. Se morresse esta noite, sem oportunidade para comunicar com ninguém, o que é que se arrependia de não ter contado? Porque é que ainda não o fez?
  10. A sua casa, que contém tudo aquilo que lhe pertence, está a arder. Depois de salvar os seus entes queridos e animais de estimação, ainda pode salvar um último objeto. O que seria? Porquê?
  11. De todas as pessoas na sua família que morte consideraria mais perturbante? Porquê?
  12. Partilhe um problema pessoal e peça ao seu parceiro que lhe dê conselhos sobre como lidar com ele. Peça-lhe também que reflita sobre a forma como você se está a sentir tendo em conta o problema que escolheu.