Rádio Observador

Incêndios

Costa diz que Monchique é a “exceção que confirma o sucesso” no combate aos incêndios

14.514

Primeiro-ministro diz que Monchique é "a exceção que confirma sucesso". E avisa que incêndio vai continuar nos próximos: "A vela de um bolo de aniversário todos apagamos com um sopro".

MÁRIO CRUZ/LUSA

O primeiro-ministro afirmou esta quarta-feira que o incêndio de Monchique, que dura há seis dias, é “a exceção que confirmou a regra do sucesso da operação [de combate aos incêndios] ao longo de todos os outros dias”. António Costa, que presidiu esta manhã à reunião da Proteção Civil, fez uma analogia para explicar a complexidade de Monchique: “A vela de um bolo de aniversário todos nós o apagamos com um sopro, mas quando a chama se alarga e os incêndios ganham uma escala com esta dimensão, não basta os sopros nem alguns dias de trabalho”. E avisou: “Ainda temos vários dias pela frente até o incêndio ser extinto.”

António Costa — que fez um balanço destes primeiros dias de combate aos incêndios — considerou positivo o facto de até ao momento “não haver nenhuma vida humana a lamentar”, existir “um número reduzido de feridos” e de ser “incerto o número de construções afetadas.” O primeiro-ministro diz ainda que os últimos dias provaram que “a prevenção vale a pena” e que “os dados são muito claros” quanto a isso. “A capacidade que o país tem hoje de prever as situações de risco foi demonstrada ao longo dos últimos dias (…) Das mais de 582 ignições só tivemos 16 incêndios, e, desses, só este ter concentrado a atenção quer da comunicação social, quer das autoridades, demonstra que o sistema respondeu“.

Costa alertou ainda que, nestas situações “há duas atitudes perigosas: em primeiro lugar, excesso de otimismo, que leva a desvalorizar o perigo; segundo, alarmismo, que leva as pessoas a tomar comportamentos que não são adequados”. Por isso, adverte o chefe de Governo: “Todos temos de ter muito cuidado na forma como é gerida a informação.”

O primeiro-ministro apelou ainda a que as populações sigam os apelos das autoridades, em particular no momento da evacuação das casas. “Gostaria de insistir muito junto de todos, que é essencial para a preservação da vida humana, para diminuirmos o risco de acidentes pessoais, que todos sigam as instruções das autoridades. Quando apelam à evacuação, as autoridades não estão a violar a Constituição nem a lei, estão a assegurar o maior bem mais precioso que existe, que é a vida”. E advertiu: “É irresponsável qualquer tipo de apelo para que as populações não sigam as recomendações das autoridade”.

O chefe de Governo disse ainda que tem “consciência de que esta foi só a primeira prova de muitos dias, muitas semanas” de um “verão que começou tardio e de forma brutal” e que ninguém sabe “quando acabará”.

Sobre o incêndio de Monchique, Costa explica que este continua ativo porque tem “circunstâncias próprias, que têm a ver com o terreno”. Por isso, avisa: “Não vamos ter a ilusão que o incêndio será apagado nas próximas horas. Não será. As condiões vão ser adversas. Quer temperatura, quer do vento, quer da humidade.”

O primeiro-ministro relembrou que a prioridade continua a ser preservar vidas humanas, a vida dos seres vivos e as habitações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)