Ryanair

Pilotos irlandeses acusam Ryanair de “falta de experiência” em questões laborais

Os pilotos da Ryanair das bases na Holanda, Alemanha, Irlanda, Suécia e Bélgica cumprem esta sexta-feira uma greve de 24 horas, a quinta desde meados de julho.

AIDAN CRAWLEY/EPA

O sindicato que representa os pilotos irlandeses da Ryanair disse esta sexta-feira que a companhia aérea “não tem experiência” em relações laborais, sendo exemplo disso a greve que decorre até à madrugada de sábado em cinco países.

Os pilotos da Ryanair das bases na Holanda, Alemanha, Irlanda, Suécia e Bélgica cumprem esta sexta-feira uma greve de 24 horas, a quinta desde meados de julho convocada pela Associação de Pilotos Irlandeses de Linhas Aéreas (IALPA), filiada no sindicato Fórsa.

Em comunicado, o Fórsa sublinha que a Ryanair respondeu à ação com “agressividade” e falando em despedimentos e reduções de pessoal nas suas operações.

Porém, para o Fórsa, a reação da empresa serviu antes “para reforçar a determinação” dos trabalhadores na luta pelos seus direitos, ao mesmo tempo que demonstrou a “falta de experiência [da companhia aérea] em matéria de relações laborais”.

Na nota, o Fórsa lamenta também que a transportadora aérea tenha classificado os pilotos em greve de “casos isolados”, garantindo também que está a ter sucesso em negociações “com outras estruturas sindicais de outras bases europeias”, depois de, em dezembro, ter assumido a intenção de reconhecer sindicatos independentes.

O facto de a empresa estar agora a enfrentar paralisações em quatro outros países [além da Irlanda], bem como greves da tripulação de cabine, como a de há duas semanas, mostra que isso não é verdade”, vinca o Fórsa.

Na segunda-feira, a IALPA vai, contudo, voltar às tentativas de diálogo com a Ryanair, depois de ter aceitado que um mediador independente oriente o processo.

Relativamente à greve em curso, a companhia de baixo custo garantiu que vai realizar 85% dos voos programados para esta sexta-feira, enquanto os sindicatos referem que 67 mil passageiros são afetados pelo protesto.

Os sindicatos de pilotos avançaram para a paralisação numa tentativa de pressionarem a administração a aumentar os salários e a melhorar as condições de trabalho. A greve começou às 04h01 (hora de Lisboa) e terminará no sábado, às 03h59.

Na semana passada, tripulantes de cabine de Itália, Portugal, Espanha e Bélgica estiveram em greve para reclamar, nomeadamente, a aplicação das leis laborais nacionais e não da irlandesa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turquia

A solidão de Erdoğan /premium

Diana Soller

A Turquia é um Estado tampão que retém cerca de três milhões de refugiados – a maioria oriundos da Síria. Um gesto mais irrefletido de Erdoğan pode levar a uma crise sem precedentes na Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)