Literatura

Morreu o prémio Nobel da Literatura V.S. Naipaul

326

O escritor britânico V.S. Naipaul morreu aos 85 anos em Londres. O autor ganhou o prémio Nobel da Literatura em 2001. "Foi um gigante em tudo o que alcançou", recorda a mulher.

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

O escritor britânico V.S. Naipaul morreu aos 85 anos em Londres. A informação foi dada pela família, em comunicado. “Ele foi um gigante em tudo o que alcançou e morreu rodeado daqueles que amava, depois de ter vivido uma vida cheia de criatividade maravilhosa e de esforço”, declarou a sua mulher, Nadira Naipaul.

Vidiadhar Surajprasad Naipaul nasceu em Chaguanas, na ilha de Trinidade e Tobago, em 1932. Filho de um jornalista de origem indiana, acabaria por mudar-se para o Reino Unido aos 18 anos, depois de lhe ter sido atribuída uma bolsa de estudo numa instituição à escolha dentro da Commonwealth. Naipaul escolheu Oxford, local onde acabaria por sofrer de um esgotamento nervoso.

Escreveu o seu primeiro romance quando era ainda estudante universitário, mas nunca conseguiu publicar essa obra. Acabaria, contudo, por escrever mais de 30 obras ao longo de 50 décadas e de acumular inúmeros prémios. São dele títulos tão conhecidos como “A Curva do Rio”, talvez a sua obra mais aclamada, ou “Uma Casa para Mr. Biswas”, este último baseado na vida do seu pai.

Muitas das suas obras abordam a vida nas antigas colónias britânicas, traçando retratos que nem sempre reuniram consenso. Naipaul, como resumiu em tempos o professor de literatura Edward Said citado pelo Telegraph, era “um grande romancista e uma testemunha importante da desintegração e hipocrisia do terceiro mundo. No mundo pós-colonial, ele é um homem marcado como um fornecedor de estereótipos e de nojo pelo mundo que o produziu — e no entanto isso não impede as pessoas de acharem que ele é um escritor dotado”, disse.

Já o jornal The Guardian escreve que os retratos pouco lisonjeiros que criou das Caraíbas, Índia e África, bem como da fé islâmica, despertaram hostilidade, mas também aclamação. Os críticos acusaram-no de nas suas obras manifestar algum desprezo pelos povos dos países em desenvolvimento, mas reconheceram a qualidade da sua prosa.

O seu romance “Num Estado Livre” foi galardoado com o Prémio Booker em 1971. Em 1989, Naipaul foi ordenado cavaleiro pela Rainha de Inglaterra. Doze anos depois, ser-lhe-ia atribuído o prémio Nobel da Literatura, com a Academia a destacar a sua capacidade de unir “narrativa percetível com escrutínio incorruptível”, em obras que “nos forçam a ver a presença das histórias suprimidas”.

V.S. — iniciais para Vidiadhar Surajprasad — Naipaul foi um dos finalistas para a edição “de ouro” do Man Booker com a obra com Num Estado Livre, mas o galardão acabou por ser dado a outro autor.

O autor nunca receou a polémica, comparando o que descreveu como “efeito calamitoso” do Islão ao colonialismo em 2001. Também sugeriu que conseguia perceber apenas a partir de um ou dois parágrafos se uma obra tinha sido escrita por uma mulher. Alimentou uma disputa com o escritor Paul Theroux durante 15 anos que só ficou resolvida com a intervenção de outro autor famoso, Ian McEwan..”

A sua reputação foi abalada quando confessou à revista New Yorker em 1994 que tinha sido um “grande prostituto” durante o seu casamento com Patricia Hale. E depois em 2008 quando admitiu ao seu biógrafo ter tido um longo caso com Margaret Gooding com quem terá sido “bastante violento” a nível psicológico, o que terá contribuído para a morte desta. Várias das suas obras foram adaptadas ao cinema como o Mystic Masseur, o primeiro livro que publicou em 1957.

V.S. Naipaul esteve em Portugal em 2016, no festival literário de Óbidos. Nesse evento, onde o Observador esteve presente, o autor britânico falou abertamente sobre o seu processo de escrita e sobre a dificuldade do seu trabalho. “Não consigo dizer-te o quão difícil foi — foi tão difícil — no início escrever uma página. E se falar sobre isso desta forma casual, estou a ser injusto — injusto em relação ao meu trabalho, em relação a encontrar a minha própria voz”, disse ao entrevistador, José Mário Silva. “Não sei o que te dizer mais sobre isto. O que fiz, fiz a partir do instinto. Queria escrever um livro, e isso é um desejo importante.”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)