Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um jovem britânico de Newport, a sul do País de Gales, decidiu oferecer-se umas férias inesquecíveis. E foi isso mesmo que conseguiu, mas não exactamente do tipo que ambicionava. Farah Hashi, de 25 anos, resolveu apimentar ainda mais a sua permanência naquela cidade dos Emiratos Árabes Unidos alugando um Lamborghini Huracán, isto no país que mais superdesportivos possui por metro quadrado. E foi aí que começaram os seus problemas.

Por um valor que rondou 1.400€, Hashi alugou por apenas dois dias o carro dos seus sonhos na Saeed Ali Rent, empresa especializada em carros de luxo, onde deixou o seu passaporte como garantia. O problema é que nas quatro horas seguintes, o britânico foi apanhado a ultrapassar os limites de velocidade nada menos do que 33 vezes. Isto num país em que se pode circular a 160 km/h na auto-estrada, 100 km/h nas estradas normais e 80 km/h nas avenidas com duas ou mais faixas.

Segundo a polícia, o Lamborghini de Hashi foi apanhado pelos radares a circular a velocidades que oscilaram entre 125 e 228 km/h, o que motivou as 33 infracções, a um custo médio de 1.212€ cada, perfazendo um total de 40.000€.

Depois do disparate do “excesso” de excessos de velocidade, o britânico resolveu fazer outro: desapareceu do mapa, abandonando o Huracán à porta do hotel. A companhia de aluguer já informou as autoridades que não pode ir recuperar o carro, sobretudo depois de ter sido informada que o veículo em causa foi multado 33 vezes, pois isso limitaria a sua capacidade de evitar ser ela a pagar as coimas. E como tem o passaporte em seu poder, com conhecimento das autoridades, não estará muito preocupada.

Entretanto, Hashi tem um avião para apanhar e necessita do passaporte para o fazer. O mais provável é prolongar as férias mais uns tempos, mas agora numas acomodações mais singelas e sem vista mar, na polícia local.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR