476kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Trocar aos três e acabar aos cinco é normal no Dragão, mas não na jornada inaugural do Campeonato

Este artigo tem mais de 3 anos

FC Porto goleou por 5-0 na estreia no Campeonato Nacional, 31 anos depois, num jogo onde chegou ao 3-0 no primeiro tempo e carimbou a vitória de mão cheia já no segunda parte.

Aboubakar e Brahimi: a dupla africana não desaprendeu com as férias e continua a dar fogo ao ataque do dragão
i

Aboubakar e Brahimi: a dupla africana não desaprendeu com as férias e continua a dar fogo ao ataque do dragão

AFP/Getty Images

Aboubakar e Brahimi: a dupla africana não desaprendeu com as férias e continua a dar fogo ao ataque do dragão

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A história desenhou-se com Aboubakar e repetiu-se com Brahimi: não foi à primeira, nem à segunda, foi à terceira. E se não entrasse logo, entraria pouco depois. Era esta a ideia com que se ficava ao ver o arranque do FC Porto nesta Liga NOS, onde se estreou como campeão nacional, cinco anos depois da última conquista, e se mostrava disposto a provar que a melhor maneira de defender o título que ostenta é aquela em que se sente mais confortável: a atacar.

Foram sete remates, dois golos de Aboubakar e um sem fim de arrancadas e cruzamentos perigosos, só nos primeiros 20 minutos. Depois, lá para a meia hora, deu para recarregar baterias para voltar a massacrar no segundo tempo, não sem antes Brahimi sentenciar a partida, em cima do intervalo. Com o 3-0 do argelino, ao minuto 45, o mais provável era a goleada consumar-se. Pelo menos, assim o diziam os números das duas últimas vezes em que os dragões tinham chegado ao intervalo a vencer por 3-0, fechando sempre o marcador aos cinco. Os dragões voltaram a trocar aos três e a acabar aos cinco, com Corona e o estreante Marius a selarem o 5-0 final, que não acontecia num jogo de estreia há 31 anos.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

FC Porto-Desp. Chaves, 5-0

1.ª jornada da Primeira Liga

Estádio do Dragão, no Porto

Árbitro: Nuno Almeida (AF Algarve)

FC Porto: Casillas; Felipe, Diogo Leite, Maxi, Alex Telles; Herrera, Otávio (Adrián, 74), Sérgio Oliveira; Brahimi, Aboubakar ( Marius, 81′)e André Pereira (Corona, 67′)

Suplentes não utilizados: Vaná, Chidozie, Óliver Torres e Hernâni

Treinador: Sérgio Conceição

Desp. Chaves: Ricardo; Brigues, Maras, Marcão e Luís Martins; Filipe Melo, Eustáquio, Bruno Gallo (João Teixeira, 75′); Avto, Ghazaryan (Niltinho, 66′) e William (Platiny, 79′)

Suplentes não utilizados: António Filipe, Nuno Coelho, Jefferson e Djavan

Treinador: Daniel Ramos

Golos: Aboubakar (14′ e 20′), Brahimi (45′), Corona (71′) e Marius (88′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Eustáquio (50′) e Luís Martins (58′). Cartão vermelho a João Teixeira (80′)

A formação de Sérgio Conceição repetiu a fórmula utilizada em muitas partidas da temporada passada, entrando a todo o gás para resolver o jogo cedo e gerindo a posse no meio-campo adversário, no que resta do encontro. E nem a ausência de Marega e Soares (o brasileiro deverá estar fora cerca de três meses) tiraram capacidade ofensiva aos dragões no embate frente aos transmontanos. O reforço Mariu estreou-se pelos azuis e brancos no decorrer da segunda parte, mas na frente de ataque titular surgiam André Pereira e Aboubakar, sedentos por mostrar serviço. O camaronês, em particular, esteve endiabrado durante todo o primeiro tempo e foi, a par de Brahimi, um dos principais responsáveis pela avalanche ofensiva azul e branca. Ainda mal Nuno Almeida tinha apitado para o início do encontro, já o argelino lançava Aboubakar, que não conseguiu receber e desperdiçou a primeira oportunidade dos campeões nacionais.

Mas mais viriam logo de seguida, novamente com o camaronês como protagonista, no segundo de quatro remates feitos pelo avançado em 20 minutos. Brahimi, por duas vezes, e André Pereira fizeram os restantes três que contabilizaram uma verdadeira avalanche ofensiva dos dragões no início da partida. E se Aboubakar das duas primeiras vezes falhou o alvo, à terceira lá acertou e sem hipóteses para Ricardo. Mas meio golo é de André Pereira: com uma simulação, o português deixou o camaronês na cara do golo e viu o domínio azul e branco materializar-se no marcador.

É que o Desp. Chaves ainda não tinha feito qualquer remate. Na realidade, nem faria até ao minuto 56, onde não acertou no alvo. Foram três remates dos flavienses em todo o jogo, contra quatro de Aboubakar antes da meia hora. E ao quarto tiro, o segundo golo: o camaronês, que não marcava desde fevereiro, chegava ao bis na sequência de uma assistência de Otávio, a segunda no encontro.

[Clique nas imagens para ver os golos do FC Porto-Desp. Chaves]

Por esta altura, se perguntassem nas bancadas do Dragão quem era Marega, poucos adeptos se lembrariam. Mas Brahimi sim, esforçava-se por não sair da memória nem da retina dos aficionados e atirava por duas vezes bem perto do alvo, imitando o autor dos dois primeiros golos: não foi à primeira, nem à segunda, lá entrou à terceira. Tabela entre Brahimi e Aboubakar a fazer lembrar o golo do argelino na Supertaça e tiro certeiro para o 3-0 com que se iria para o descanso.

A partir daí, o FC Porto tinha a vitória na mão. O Desp. Chaves não causava perigo e ou muito mudava na formação de Daniel Ramos ou o mais provável era a profecia cumprir-se: as últimas duas vezes que o FC Porto vencia 3-0 ao intervalo no Dragão, descansavam aos três e finalizavam aos cinco. E os dragões reentraram como no primeiro tempo, em busca de mais golos. Aboubakar ficou perto do hat-trick ao quinto e sexto remates, mas ficou-se pela intenção. Pelo meio, o Desp. Chaves fazia o primeiro remate da partida, perto da hora de jogo.

Corona, recém-entrado, demorou menos tempo do que os companheiros para marcar golo. E desperdiçou menos tentativas: se o primeiro remate foi às malhas laterais, o segundo foi para o fundo das redes, depois de recuperar a bola e correr em diagonal em direção à glória. E foi rápido a fazê-lo, com dois remates em quatro minutos dentro de campo a resultarem num golo. Daí para a frente deu para tudo, até para João Teixeira ser expulso por entrada dura sobre Sérgio Oliveira. Os dragões trocaram a bola com naturalidade, em busca de um quinto golo que, a surgir, não chocaria ninguém. Adrián Lopez tentou encher a mão, mas foi o estreante Marius quem chegou aos cinco dedos de golos. O cruzamento de Maxi encontrou um remate acrobático de Sérgio Oliveira, que foi direito à cabeça do jovem do Chade, só parando na festa azul e branca.

Estava feito o 5-0 que vinha anunciado desde a primeira parte, com o golo de Brahimi, e igualada uma entrada no Campeonato que não acontecia desde 1987, quando o FC Porto goleou o Belenenses por 7-1. Os campeões nacionais começaram a defesa do título ao ataque e despacharam o Desp. Chaves com uma goleada de mão cheia que não podia dar mais esperanças aos adeptos azuis e brancos na conquista do bicampeonato. Trocar aos três e acabar aos cinco já se torna normal no Dragão, mas não o era na jornada inaugural do Campeonato. 

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.