Beleza e Bem Estar

Da praia para um jantar? Eis porque não deve andar com o biquíni molhado

Fatos de banho de materiais sintéticos e horas com eles húmidos na pele são a combinação perfeita para fungos e bactérias. Perceba o risco e leia dicas de especialistas para as férias.

STEPHANIE PILICK/AFP/Getty Images

As férias ao sol significam relaxar no calor, refrescar no mar e na piscina, passear na areia, descansar na esplanada e passar o dia sem qualquer preocupação. A não ser, claro, colocar protetor solar. Mas, afinal, há mais preocupações que deve ter. Ficar sentada durante horas com um fato de banho húmido pode causar danos porque “os fungos e as bactérias crescem realmente em lugares húmidos e escuros, como um biquíni molhado”, disse ao The Huffington Post Alyssa Dweck, ginecologista e professora na Icahn School of Medicine at Mount Sinai nos Estados Unidos, num artigo que se tornou viral.

Esta até é uma informação que ouvimos desde crianças — tira esse fato de banho molhado, dizia a minha mãe a toda a hora. Mas chegadas a adultas, quantas vezes nos lembramos das coisas que as nossas mães nos diziam? As infeções por fungos ou do trato urinário são relativamente comuns no verão, entre outros fatores, devido às horas que passamos sentadas em lycra molhada.

O que são fungos?

São micro-organismos que crescem naturalmente na vagina sem causar qualquer dano. O facto do pH da vagina ser ácido cria uma espécie de barreira de proteção para que estes fungos não se reproduzam e as bactérias nocivas não sobrevivam. Mas se este pH se altera, os fungos podem começar a multiplicar-se.

O que pode alterar o pH da vagina?

Coisas tão simples como sabonetes errados, alguns medicamentos, antibióticos, começar ou parar de tomar a pílula e até simplesmente o facto de se estar na menstruação. Mas, claro, o excesso de humidade também pode encorajar os fungos a proliferar e é por isso que não se deve andar a passear durante horas com o fato de banho molhado ou húmido. Além disso, o cloro também pode alterar os níveis do pH e algumas das bactérias saudáveis que regulam a acidez da vagina podem ser mortas, permitindo que as bactérias más façam uma festa.

Estamos todas em risco?

Calma! Há dados mais concretos a ter em causa. “As mulheres que estão mais propensas a ter este tipo de infeções são as que estão mais expostas a este risco. Essas vão querer trocar o biquíni por um seco“, explica Dweck, reforçando que as mulheres com um sistema imunitário mais enfraquecido, como aquelas que têm diabetes ou que tomam certos medicamentos, são as mais propensas a serem afetadas pelo uso prolongado de um fato de banho húmido.

Yvonne Butler da Mayo Clinic disse ao site cientifico Live Science no mês passado que, de facto, estas situações podem aumentar o risco de infeções embora não seja uma causa direta. “Se a pergunta for: ‘um fato de banho molhado vai causar uma infeção por fungos?’, a resposta é não. Mas, sim, pode aumentar o risco, dependendo de quanto tempo uma mulher está com ele vestido”. E reforça o facto de ainda existirem muitos mitos e dúvidas no que toca à vagina, citando um artigo publicado no International Journal of DST and AIDS onde os autores dizem que os resultados sobre se a roupa molhada pode causar infeção por fungos são mistos. Alguns estudos mostraram que as infeções por fungos são mais comuns quando as mulheres usam roupas justas e sintéticas (como os fatos de banho) que podem reter humidade perto das virilhas. Mas outros estudos simplesmente não encontraram nenhuma relação entre as infeções e os fatos de banho molhados.

Butler deixa duas questões: 

  1. Pode um fato de banho levar a uma infeção por fungos nas circunstâncias certas? Provavelmente sim.
  2. As pessoas precisam de se preocupar em contrair infeções pelo uso normal de um fato de banho? Não. Ou seja, use, divirta-se, apanhe sol e antes de sair da praia ou da piscina, troque por roupa interior seca.

Da praia para um passeio ao por do sol seguido de um jantar entre amigos? Troque o fato de banho húmido por roupa interior de algodão. (SERGEI SUPINSKY/AFP/Getty Images)

Algumas dicas úteis das especialistas

Não use fatos de banho sem proteção de algodão

Já se sabe que roupa interior de algodão deixa a vulva mais feliz. O mesmo se aplica aos fatos de banho — não use modelos que não tenham aquela proteção em algodão na zona da vagina. O algodão permite que o ar entre e a humidade saia. A lycra ou outros materiais sintéticos não.

Um biquíni molhado pode irritar a pele da vagina

Estar sentada num biquíni molhado durante horas pode criar uma infeção semelhante ao pé de atleta (pele vermelha, comichão e sensação de ardor) porque os fungos podem espalhar-se para a pele da vagina. Mas mesmo sem qualquer infeção fúngica, mulheres com pele mais sensível podem ficar com a pele irritada ao fim de algum tempo com um fato de banho húmido.

Passar por água, sempre

Se vai da praia para um jantar ou uma petiscada na esplanada até ao por do sol, além de trocar o biquíni húmido por um seco (ou umas cuecas de algodão), passe sempre a vagina por água. E já agora, o corpo todo também.

Sinais de que pode ter algum problema

Sintomas como comichão, ardor, erupções nas virilhas, bolhas na pele são os mais comuns. Os sinais característicos de uma infeção por fungos incluem extrema comichão (externa ou interna) e corrimento branco abundante com cheiro. Em ambos os casos, consulte um especialista.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)