Tesla

Elon Musk confirma que quer tirar a Tesla da bolsa. Financiamento está garantido por fundo da Arábia Saudita

O CEO da Tesla emitiu um comunicado no qual confirma a intenção de fechar o capital da empresa. Musk revelou ainda que o financiamento está "garantido" por um fundo de investimento da Arábia Saudita.

Elon Musk pode ser acusado de má conduta por ter anunciado a privatização no Twitter

Depois de na semana passada Elon Musk ter anunciado no Twitter que estava a “considerar” fechar o capital da Tesla, tirando-a da bolsa norte-americana, chegou a confirmação. Num comunicado emitido por Elon Musk, o presidente da empresa de carros elétricos confirma que quer que a Tesla deixe de ser cotada em bolsa e explica o que queria dizer com “o financiamento que está garantido”: o multimilionário está em conversações com um fundo de investimento público da Arábia Saudita “há quase dois anos”, que o abordou “múltiplas vezes sobre a possibilidade de tirar a Tesla da bolsa”, explica o site especializado TechCrunch.

O fundo a que Musk se refere adquiriu recentemente dois mil milhões de dólares em ações da Tesla, quase 5% do capital social que a empresa tem disperso em bolsa. O presidente da Tesla, que também lidera a empresa de inovação espacial Space X, revelou que reuniu com o fundo saudita no início de 2017 e que os representantes expressaram interesse na empresa devido “à importante necessidade de diversificar para lá do petróleo”. Voltaram a encontrar-se várias vezes ao longo do ano e Elon Musk garante que “o fundo saudita tem mais do que o capital que seria necessário para executar uma transação destas”.

Depois de terem comprado massivamente ações da Tesla, os sauditas voltaram a pedir uma reunião com Musk a 31 de julho. Nessa altura, explicaram ao multimilionário que “lamentavam” que este ainda não tivesse avançado com a decisão de tirar a empresa da bolsa e “expressaram um forte apoio” à operação. “Deixei a reunião sem duvidar que poderia fechar negócio com o fundo da Arábia Saudita, que era só uma questão de colocar o processo a andar”, afirmou Elon Musk.

Ainda que, segundo o empresário, o negócio esteja praticamente concluído e apenas a depender de “alguns detalhes e logística”, a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos abriu um inquérito ao tweet de Elon Musk. Ainda que a abertura de um inquérito não signifique diretamente que vai existir uma investigação, o fundador da Tesla pode ser considerado culpado de má conduta por ter anunciado nas redes sociais que ia privatizar a empresa.

A Tesla está cotada no NASDAQ, nos Estados Unidos, desde 2010. No tweet de 7 de agosto, Elon Musk dizia que estava a pensar privatizar a fabricante de carros elétricos por 420 dólares a ação (cerca de 362 euros). A pequena mensagem do empresário fez subir as ações da empresa em 6,5% em poucos minutos.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)