PCP

PCP culpa UE, atual e anteriores governos pela “iminente rutura” da ferrovia

146

Em conferência de imprensa, o dirigente comunista João Ferreira ironizou com o "sucesso" dos "pacotes legislativos" comunitários para grandes multinacionais.

RUI MINDERICO/LUSA

O dirigente comunista João Ferreira atribuiu esta segunda-feira a responsabilidade de “iminente rutura” do setor ferroviário às regras impostas por Bruxelas, seguidas pelo atual e anteriores governos portugueses, em benefício do “grande capital e grupos monopolistas”, designadamente da Alemanha.

O deputado ao Parlamento Europeu ironizou com o “sucesso” dos “pacotes legislativos” comunitários para, por exemplo, “a Siemens alemã, a grande multinacional que se consolidou no processo, que eliminou e comprou o essencial das empresas fabricantes, a ponto de já ter comprado a própria multinacional francesa Alstom, que hoje domina o mercado europeu”, em conferência de imprensa na sede do PCP, Lisboa.

“Importa recordar a destruição do aparelho produtivo nacional de material circulante, completado em 2003/05, com o encerramento da Sorefame e cumplicidade ativa dos governos de Durão Barroso (PSD/CDS-PP) e José Sócrates (PS), que não pode ser desligado do facto de os últimos comboios adquiridos para a ferrovia nacional terem-no sido em 2002, à Sorefame”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
673

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
363

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)