Rádio Observador

Associação Sindical os Juízes Portugueses

Falta de condições de trabalho nos tribunais prejudica bom desempenho da justiça

A Associação Sindical dos Juízes garantiu que o cenário de falta de condições de trabalho "é negro, mas real" e diz que muitas vezes "condiciona o bom desempenho de funcionários e magistrados".

ANTONIO COTRIM/LUSA

A Associação Sindical dos Juízes garantiu esta terça-feira que o cenário de falta de condições de trabalho descrito pelos presidentes dos tribunais “é negro, mas real” e diz que muitas vezes “condiciona o bom desempenho de funcionários e magistrados”. “O cenário descrito nos relatórios só peca por defeito, tudo o que lá está são situações que não são pontuais e que existem em vários tribunais do país há vários anos”, disse à Lusa a secretária-geral da ASJP.

A notícia dos relatórios sobre as condições existentes em vários tribunais de primeira instância das 23 comarcas foi publicada esta segunda-feira no jornal Público e enumera a falta de impressoras, canetas, papel, segurança, elevadores e ar condicionado avariados, entre outras situações anómalas detetadas. “Há situações perigosas para os utentes dos tribunais, outras que perturbam e condicionam em muito o trabalho e o bom desempenho dos funcionários e dos magistrados e outras que põem em causa a imagem da própria justiça”, afirmou a juíza Carla Oliveira.

A magistrada contou à Lusa alguns episódios que viveu no Tribunal de Almada, onde já presenciou arguidos a desmaiarem por falta de ar condicionado e audição de testemunhas e arguidos em cadeiras de rodas à porta da sala de audiências porque não conseguem entrar para o local destinado ou documentos/provas analisados com uma lanterna. “Foram adiados julgamentos porque não existia iluminação suficiente na sala devido a problemas elétricos e não havia outra vaga. Aconteceu duas ou três vezes porque as salas não têm luz natural”, acrescentou.

Carla Oliveira revelou ainda que é habitual haver uma fotocopiadora para 3 ou 4 secções de processos o que significa que há cerca de 15 funcionários a usar a mesma máquina e que há muitas cadeiras que estão “rotas, vê-se a espoja e o forro”. “Ninguém deixa de fazer um julgamento por isso, mas a imagem que se passa é lamentável”, frisou.

“Quando se ouve os políticos a falarem da justiça e dos tribunais e se lê os relatórios dos juízes-presidentes parece que estamos a ver filmes diferentes, em realidades distintas”, destacou. Da parte dos serviços do Ministério da Justiça, a associação sindical dos juízes espera que “comecem, de uma vez por todas, a levar a sério os problemas da justiça e não a empurrá-los para debaixo do tapete como se eles não existissem e que comecem a resolver a situação”, disse.

Desde abril que a ASJP está a fazer um levantamento das condições que existem nos tribunais e muitas das situações denunciadas já são do seu conhecimento. “Todas estas situações e outras já estão detetadas e algumas já foram denunciadas, como foi o caso dos elevadores com garantia fora de validade”, mas a associação vai prosseguir o trabalho e vamos tentar resolver junto das entidades responsáveis”, segundo a secretária-geral da associação.

A Lusa contactou o Ministério da Justiça para obter um comentário sobre as situações descritas nos relatórios dos juízes presidentes, mas não obteve resposta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)