Venezuela

Venezuela passa a ter duas unidades monetárias a 20 de agosto

A Venezuela vai eliminar oficialmente cinco zeros da atual moeda, o bolívar forte, dando origem ao bolívar soberano, anunciou Maduro, no final de uma reunião com o gabinete económico.

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Venezuela vai passar a ter duas unidades monetárias contabilísticas, o bolívar soberano e o petro, uma criptomoeda venezuelana, a partir da próxima segunda-feira, anunciou o Presidente Nicolás Maduro.

Nessa data, a Venezuela vai eliminar oficialmente cinco zeros da atual moeda, o bolívar forte, dando origem ao bolívar soberano, anunciou Maduro, no final de uma reunião com o gabinete económico, no palácio presidencial de Miraflores, na segunda-feira. “Todas as operações [da PVSA] vão ser registadas com a unidade contabilística petro. Uma mudança fundamental no modelo monetário, para uma nova economia do país”, afirmou.

A partir da próxima segunda-feira, o Banco Central da Venezuela começará a publicar os valores oficiais de funcionamento, com a ancoragem do bolívar soberano no petro, dia a dia”, disse.

O petro vai ser a unidade contabilística de referência obrigatória para a empresa petrolífera estatal Petróleos da Venezuela SA (PDVSA).

Maduro decretou feriado a 20 de agosto, devido à entrada em vigor das novas moedas. O Presidente anunciou que vai dar a conhecer, em breve, um “novo sistema salarial e um novo sistema de bens e serviços, [cujos preços vão estar] ancorados ao petro”, o que “vai significar uma melhoria substancial para os [rendimentos dos] trabalhadores”.

Nicolás Maduro declarou que será criado um sistema de subsídio direto, interno, à gasolina e aos hidrocarbonetos, produtos que passarão a ter preços iguais ao mercado internacional, como uma medida para acabar com o contrabando de combustível para países vizinhos. “Peço a todo o país, a todos os venezuelanos, empenho para que todos os passos futuros sejam um êxito”, afirmou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)