Rádio Observador

Elon Musk

Elon Musk assume problemas na liderança da Tesla: “Este foi o ano mais difícil e doloroso da minha carreira”

Com a Tesla mergulhada em agitação depois de um tweet do empresário, Musk dá entrevista emotiva ao New York Times onde assume exaustão e admite passar as rédeas a outro.

Elon Musk, fundador da Tesla, da SpaceX e da Neurolink

AFP/Getty Images

“Este ano foi o mais difícil e mais doloroso da minha carreira.” A admissão é feita pelo próprio milionário Elon Musk, numa entrevista feita pelo New York Times, numa altura em que a sua empresa, a Tesla, enfrenta falta de liquidez e uma investigação do regulador da bolsa norte-americana.

A instabilidade da empresa tem sido agravada pelos comentários impulsivos de Musk, que o próprio justifica ao jornal como fruto da exaustão. “Houve vezes em que não saí da fábrica durante três ou quatro dias, dias em que não fui à rua”, declarou, emocionado. “O preço a pagar é que não vejo os meus filhos, nem os meus amigos.”

O último solavanco na situação da produtora de carros elétricos ocorreu a sete de agosto, quando o próprio Musk publicou um tweet enigmático dizendo que pretendia retirar a empresa da bolsa e o preço a que iria vender cada ação (420 dólares, cerca de 350 euros).

O primeiro problema surgiu com a Security and Exchanges Commission (SEC), o regulador norte-americano, que abriu uma investigação à empresa por suspeitas de ação especulativa — já que, na sequência do tweet de Musk, as ações da Tesla dispararam.

O segundo problema é que, a acontecer, uma saída de bolsa terá de ser financiada por alguém, já que teria custos à volta dos 70 mil milhões de euros, como explica a Vox. Musk, contudo, assegura que tem “financiamento assegurado”. Em causa poderá estar um investimento do Governo da Arábia Saudita, que têm neste momento quase 5% das ações da Tesla e que podem estar interessados em adquirir mais.

No entanto, como diz a CNN, se Musk não quiser que os sauditas adquiram uma fatia da empresa maior do que o próprio fundador, terá de arranjar mais investidores. “Se trouxer mais investidores, estes vão querer mais controlo”, explicou à cadeia de televisão Todd Boudreau, do grupo financeiro Foley & Lardner.

Se eles estiverem de acordo com o que [Musk] quiser fazer, é ideal. Mas a dinâmica pode mudar muito rapidamente. No caso mais extremo, ele pode estar de saída amanhã”, afirmou o especialista.

A Tesla tem tido problemas com o fabrico do carro Model 3, que tem sido repetidamente atrasado, e em março um condutor de um dos seus carros automáticos, o Model X, morreu num acidente. As ações da empresa têm caído na sequência destes eventos. A isto soma-se a falta de liquidez da empresa, que a Bloomberg notou em abril, mencionado que existe “um risco genuíno” da Tesla ficar sem dinheiro ainda em 2018.

A todos estes problemas somam-se os tweets e comentários do próprio Musk, que provocam muitas vezes uma tempestade de relações públicas. Foi o caso do recente tweet onde chamou “pedófilo” a um dos mergulhadores responsável pelo resgate da Tailândia e dos comentários sobre perguntas de analistas de Wall Street que classificou de “aborrecidas” — tendo o preço das ações da Tesla caído imediatamente mais de 5%.

“De um ponto de vista pessoal, o pior ainda está para vir”, diz Musk

O New York Times garante que durante a entrevista Elon Musk se emocionou várias vezes, tendo “alternado entre o riso e as lágrimas”. Um dos momentos mais intensos foi quando o empresário admitiu que tem trabalhado 120 horas por semana e que não tira mais de uma semana seguida de férias desde 2001. Este ano, garante, passou as 24 horas inteiras do seu aniversário a trabalhar. “Toda a noite — nada de amigos, nada”, declarou. “Pensava que o pior já tinha passado”, afirmou. “Para a Tesla o pior já passou, de um ponto de vista operacional”, esclareceu. “Mas de um ponto de vista pessoal, o pior ainda está para vir.”

As palavras do milionário podem estar relacionadas com informação avançada pelo jornal de que alguns membros do conselho da Tesla estão preocupados com a situação de Musk. Duas fontes próximas do conselho disseram ao Times estar preocupadas com o uso habitual de Ambien (um medicamento usado para as insónias) por parte de Musk, dizendo que o medicamento por vezes “contribui para as sessões noite dentro no Twitter” de Musk.

O jornal também avança que os executivos da Tesla têm tentado contratar uma pessoa para servir de número dois a Musk, absorvendo parte das responsabilidades do fundador, que é atualmente chairman e presidente executivo. O próprio empresário assumiu que Sheryl Sandberg, executiva do Facebook, foi abordada pela Tesla.

Daquilo que sei”, disse Musk, “não há nenhuma pesquisa ativa neste momento” para encontrar essa pessoa.

Oficialmente, a Tesla desmentiu os “rumores falsos e irresponsáveis” sobre o conselho da Tesla, sublinhando o “compromisso e dedicação” de Elon Musk à empresa. O empresário garante que não tem planos para já para abandonar os cargos que ocupa na Tesla. “Se souberem de alguém que consiga fazer um trabalho melhor, avisem-me. Podem ficar com o lugar”, assegura Musk, deixando claro que por agora considera não haver ninguém. “Há por aí alguém que consiga fazer um trabalho melhor? Se sim, podem ficar já com as rédeas.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)