Foram os italianos da Iso que criaram o Isetta – que se pode traduzir pelo “pequeno Iso” – em 1953, e se o produziram em Itália, trataram de vender a licença para que o modelo fosse fabricado e vendido um pouco por todo o lado, da França à Argentina e do Brasil ao Reino Unido, passando, claro está, pela Alemanha. Aqui, foi adoptado pela BMW, que rapidamente tratou de o melhorar, montando um dos seus motores (de moto), tendo fabricado o Isetta entre 1955 e 1962.

Esta incursão pelo baú da história justifica-se porque o Isetta está de volta. Nada menos que 56 anos depois, aquele que ficou conhecido como o BMW Isetta – apesar de não ter sido criado pela marca alemã, foi ela que o fabricou em maior quantidade e foi com o seu emblema que o pequeno citadino atingiu maior notoriedade -, vai regressar ao mercado já dentro de uns meses, em 2019, produzido pelos suíços da Microlino Mobility Systems, mas em Itália.

9 fotos

Baptizado agora de Microlino, o veículo eléctrico respeita na íntegra a estética do Isetta, mas dota-o de linhas mais modernas, outra plataforma mais robusta e com espaço para alojar uma bateria com alguma dimensão, novas suspensões mais eficazes e… um motor accionado a electricidade. A entrada e saída continuam a realizar-se através da única porta (a outra, na traseira, serve apenas a bagageira) colocada à frente e que abre toda a zona frontal, como aconteceu entre 1953 e 1962, com o habitáculo a oferecer espaço para dois adultos e um espaço (com uns interessantes 300 litros) para arrumar bagagens lá atrás.

Desde o início imperou a orientação de reduzir custos, pelo que o Microlino herda um motor com 20 cv de um empilhador de grande produção, o que lhe permite atingir 90 km/h, tal como as pegas das portas do Fiat 500, tudo para que o preço final não ultrapasse 12.000€, um valor verdadeiramente impressionante. De baixo. E os suíços afirmam que já têm mais de 7.200 encomendas confirmadas, com os clientes a aguardarem (ansiosamente) o seu Microlino já em 2019.

Animado por uma bateria com uma capacidade de 8 kWh, para quem se satisfaz com uma autonomia de 126 km, ou de 14,4 kWh para quem quer ir um pouco mais longe (202 km), o Isetta dos tempos modernos vai começar a ser produzido já em 2018, mas apenas 100 unidades, o que vai permitir arrancar com demonstrações a clientes e à imprensa. Em 2019 os suíços têm como objectivo entre 1.500 e 2.000 unidades, volume que continuará a aumentar até aos 5.000 carros por ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR