O ministro da Administração Interna não vai reconduzir o presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) e já está a preparar a sucessão de Jorge Jacob.

De acordo com a notícia da Rádio Renascença, o ainda líder da entidade que supervisiona a segurança e prevenção nas estradas estará informado dessa decisão desde o início do ano, mas só em junho terá ficado claro que seria substituído — foi nesse mês que um despacho do secretário de Estado da Proteção Civil, publicado a 7 de junho, mas com efeitos a 1 de maio, colocou Jorge Jacob, ao fim de cinco anos, em regime de substituição.

O seu sucessor, que será escolhido em concurso para dirigentes da Função Pública, deverá agora herdar uma série de pastas e problemas, entre os quais se destacam os números mais negativos registados recentemente, como o aumento de mortes por atropelamento (quase duplicou). Uma das prioridades será, por isso, a segurança dos peões e o combate a situações semelhantes que estão a contribuir para os maus resultados do último ano.

Outros dossiers prioritários destacados pelo ministro Eduardo Cabrita envolvem as inspeções periódicas para motos a partir de 250 cc, que ainda não estão em vigor, ou a reintrodução da carta de condução para motos até 125 cc. Falta também saber se vão concretizar a intenção anunciada de reduzir o limite de velocidade máxima dentro das localidades de 50 para 30 quilómetros por hora.

Ministro da Administração Interna estará apenas a aguardar o fim do período mais crítico dos fogos paradar início ao processo de escolha do novo presidente da ANSR, reforça a RR.