Os árbitros de ténis admitem avançar para um boicote a Serena Williams. De acordo com o jornal britânico The Times, a medida surge em protesto pela forma como a tenista norte-americana se dirigiu ao árbitro português Carlos Ramos na final do US Open, que acabou com a vitória da japonesa Naomi Osaka.

Ainda segundo a publicação, os árbitros estariam já descontentes com a forma como o Grand Slam foi organizado e o episódio do passado sábado terá sido a gota de água — sobretudo depois de terem vindo a público as posições da Associação de Ténis Feminino (WTA) e da Associação de Ténis Norte-Americana (USTA), que apoiaram Serena Williams.

Está a crescer, junto dos árbitros, a ideia de que “não são apoiados” pela Associação de Ténis Norte-Americana em vários momentos e que Carlos Ramos “foi lançado aos lobos por ter apenas feito o seu trabalho, não estando disposto a ser rebaixado por isso”.

Os árbitros estarão, neste momento, a estudar a melhor forma de ação para fazerem o que consideram ser a defesa da sua profissão. A medida que tem ganho mais peso é mesmo a recusa em arbitrar jogos de Serena Williams enquanto a tenista não se desculpar por ter chamado “mentiroso” e “ladrão” ao árbitro português.

A polémica rebentou quando Williams foi advertida por Carlos Ramos por ter recebido indicações do treinador, que estava na bancada. A tenista ficou furiosa pela penalidade, partiu a raquete (recebendo outra advertência) e, por fim, avançou para o árbitro de dedo no ar. “Está a atacar o meu caráter”, “é um mentiroso”, “peça desculpa”, “como se atreve a insinuar que eu estava a fazer batota?”, “roubou-me um ponto, é um ladrão“, foram algumas das frases ditas pela veterana tenista ao árbitro português. A linguagem utilizada valeu-lhe a terceira advertência e consequente jogo de penalidade e derrota na final.

Entretanto a Federação Internacional de Ténis (ITF) veio a público defender Carlos Ramos. Em comunicado, destacou o trajeto e a correta atuação do árbitro português, face à atitude da tenista, na final que veio a perder para a japonesa Naomi Osaka. “Carlos Ramos é um dos árbitros mais experientes e respeitados no ténis. As decisões (…) estavam de acordo com as regras pertinentes e foram reafirmadas com a decisão da organização do US Open em multar Serena Williams pelas três ofensas que fez”, refere o comunicado.

De acordo com a ITF, “é compreensível que este incidente grave e lamentável deva provocar um debate”. “Ao mesmo tempo, é importante recordar que o senhor Ramos assumiu as suas funções como funcionário de acordo com o regulamento correspondente e atuou sempre com profissionalismo e integridade”, reforçou a ITF.