As Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) estão a assegurar a integração nas suas fileiras dos oficiais do braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido no poder, disse, esta quarta-feira, o vice-ministro da Defesa, Patrício José.

“As Forças Armadas de Defesa de Moçambique estão a cumprir as orientações dadas pelo seu comandante em chefe, [e chefe de Estado, Filipe Nyusi], conforme o planificado”, declarou Patrício José, falando aos jornalistas. O vice-ministro da Defesa não se alongou em comentários sobre a matéria.

Por seu turno, o ministro do Interior de Moçambique, Basílio Monteiro, exortou a Polícia da República de Moçambique (PRM) a garantir a entrada de quadros da Renamo na corporação, assinalando que essa ação está plasmada nos entendimentos entre o Governo e o principal partido da oposição para a instauração de uma paz duradoura no país.

Vários quadros militares do braço armado da Renamo foram recentemente patenteados pelo chefe de Estado moçambicano, visando a sua integração em postos de comando das FADM. A integração dos elementos armados do principal partido da oposição nas FADM e na PRM insere-se nos acordos alcançados entre o chefe de Estado moçambicano e a liderança da Renamo para a paz. As negociações entre o Governo e a Renamo resultaram numa mudança pontual da Constituição da República para o aprofundamento da descentralização.