Exposições

Fogo das imagens de Marcelo Brodsky revive o Maio de 68 no Museu Berardo

Intitulada "1968: O Fogo das Ideias - Marcelo Brodsky", as imagens têm a curadoria de Inês Valle e ficará patente até 6 de janeiro de 2019, no Museu Coleção Berardo.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Obras do artista Marcelo Brodsky que trazem imagens do passado ao presente para reviver a história do Maio de 68 e de outras manifestações sociais no mundo, incluindo Portugal, foram reunidas numa exposição que inaugura quarta-feira, em Lisboa.

Intitulada “1968: O Fogo das Ideias – Marcelo Brodsky”, tem curadoria de Inês Valle e ficará patente até 6 de janeiro de 2019, no Museu Coleção Berardo.

“Hoje, as novas gerações não se interessam por informação se não tiver imagem”, disse o artista durante uma visita guiada para jornalistas à exposição, que inclui fotografia, vídeo, instalação e diversa documentação de manifestações sociais realizadas ao longo da década de 1960, em vários países.

Intervindo em imagens da época, Marcelo Brodsky – através de palavras e pintura – sublinha os acontecimentos e destaca pormenores que um olhar rápido poderia deixar passar despercebidos. A exposição – a primeira individual em Portugal – começa com uma obra nova, criada este ano, com uma artística de Brodsky numa fotografia de uma manifestação nas ruas de Paris, durante o Maio de 68.

De acordo com o artista e ativista, esta foi uma das imagens que a polícia autorizou divulgar do seu arquivo da época e que – passados 50 anos – foi apresentada pela primeira vez nos Encontros de fotografia de Arles, em França.

Na imagem, com um manifestante isolado, na rua, rodeado de pedras espalhadas pelo chão, o artista destaca cada uma delas a cores e associa-as a um conceito: liberdade, luta, revolução, poder, revolta, liberdade, arte. “Trago o passado ao presente, para o sublinhar, fazer reviver, para a atualidade”, disse, sobre as imagens de arquivo que trabalha, pintando, destacando pormenores dos manifestantes ou as palavras de ordem dos cartazes que empunham.

A pensar sobretudo nos jovens, o artista continua a trabalhar nesta temática, que, sublinha, “nunca acaba e é hoje, ainda, muito atual”. “É também um trabalho de investigação sobre a linguagem. Como contar a história do Maio de 68?”, que a sua contínua demanda, passando por lugares como Washington, na Poor People’s March, nas manifestações contra a Guerra do Vietname, que ocorreram em Berlim, Londres ou Tóquio, e nas diversas manifestações e campanhas estudantis contra as estruturas governamentais que aconteceram no Brasil, na Argentina, em França e em Portugal.

De Portugal, explicou a curadora à agência Lusa, existem três fotografias de arquivo que retratam as manifestações de estudantes em Coimbra e Lisboa, em 1969, e mais três imagens captadas na Guiné-Bissau, Angola e Moçambique, onde o povo reclamava a independência.

A exposição cria também diálogos inéditos entre a obra de Brodsky e as de outros artistas, como Marcel Broodthaers e Ricardo Martins.

Rita Lougares, diretora artística do Museu Coleção Berardo, disse aos jornalistas que a exposição “é uma homenagem ao Maio de 68, passados 50 anos, e a todos os movimentos que ocorreram nessa época, mudando a nossa maneira de ser, a cultura, o pensamento e as relações entre as pessoas, que exigiram um mundo diferente, mais justo”.

A inauguração da exposição de Marcelo Brodsky “1968: O Fogo das Ideias” está prevista para quarta-feira, às 19:00, com entrada livre, e o artista fará uma visita guiada ao público no sábado, às 16:00.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)