Tesla

Elon Musk abandona presidência do conselho de administração da Tesla

562

Elon Musk vai ser afastado do cargo de presidente do conselho de administração da Tesla por informações falsas ao mercado. Acordo com a 'polícia americana da bolsa' obriga ao pagamento de 40 milhões.

Getty Images

Elon Musk vai deixar a presidência do conselho de administração (cargo não-executivo) da Tesla no prazo de 45 dias. A medida faz parte de um acordo com a Securities Exchange Comission (SEC) — a comissão de valores mobiliários e ações norte-americana que funciona como uma espécie de “polícia da bolsa” –, para encerrar a investigação por supostas informações falsas que prestou ao mercado. Musk permanece, contudo, como CEO (presidente executivo) da empresa, mantendo-se por isso responsável pela gestão diária da fabricante de automóveis elétricos.

Há dois dias, a SEC abriu um processo contra Elon Musk por fraude, depois de o Departamento de Justiça norte-americano já ter aberto também uma segunda investigação pelo mesmo motivo mas no âmbito criminal. Em causa está o facto de, no passado dia 7 agosto, Musk ter afirmado no Twitter, que tinha um comprador para a Tesla: “Estou a considerar tornar a Tesla privada a 420 dólares. Financiamento assegurado”, sendo que, neste contexto, “privada” significava retirar a empresa da bolsa.

Depois dessas publicações, as ações da fabricante de automóveis elétricos subiram 11%. Na acusação de fraude, a entidade reguladora da bolsa dizia que “Musk não tinha sequer discutido, muito menos confirmado, elementos chave, incluindo o preço, com nenhum potencial investidor”, dizia na queixa, onde pedia que Musk fosse “proibido de exercer o cargo” de administrador.

Foi o que aconteceu. O processo termina agora com o então chairman e CEO da Tesla (Musk acumulava os dois cargos) a ser obrigado a deixar de exercer o cargo de presidente do conselho de administração (cargo também conhecido por chairman e que é não-executivo) nos próximos 3 anos, a que se junta o pagamento de uma multa no valor de 20 milhões de dólares (a título individual) e outros 20 milhões que serão pagos pela própria Tesla, segundo se lê na nota de imprensa divulgada pelo site da SEC.

O acordo ainda terá, contudo, de ser submetido a aprovação judicial. A SEC processou o empresário por ter prestado “declarações públicas falsas e enganadoras” e com isso de ter prejudicado investidores. Na mensagem partilhada no Twitter, Musk dizia que estava a equacionar tirar a empresa da bolsa o que, segundo a SEC, “causou uma enorme confusão e disrupção no mercado, para as ações da Tesla, prejudicando investidores”.

“Musk sabia” que o estava a dizer no Twitter era falso “ou foi imprudente porque ele não tinha uma base adequada para dizer o que disse”, afirma ainda a reguladora da bolsa norte-americana no comunicado emitido.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)