Tesla

Elon Musk abandona presidência do conselho de administração da Tesla

562

Elon Musk vai ser afastado do cargo de presidente do conselho de administração da Tesla por informações falsas ao mercado. Acordo com a 'polícia americana da bolsa' obriga ao pagamento de 40 milhões.

Getty Images

Elon Musk vai deixar a presidência do conselho de administração (cargo não-executivo) da Tesla no prazo de 45 dias. A medida faz parte de um acordo com a Securities Exchange Comission (SEC) — a comissão de valores mobiliários e ações norte-americana que funciona como uma espécie de “polícia da bolsa” –, para encerrar a investigação por supostas informações falsas que prestou ao mercado. Musk permanece, contudo, como CEO (presidente executivo) da empresa, mantendo-se por isso responsável pela gestão diária da fabricante de automóveis elétricos.

Há dois dias, a SEC abriu um processo contra Elon Musk por fraude, depois de o Departamento de Justiça norte-americano já ter aberto também uma segunda investigação pelo mesmo motivo mas no âmbito criminal. Em causa está o facto de, no passado dia 7 agosto, Musk ter afirmado no Twitter, que tinha um comprador para a Tesla: “Estou a considerar tornar a Tesla privada a 420 dólares. Financiamento assegurado”, sendo que, neste contexto, “privada” significava retirar a empresa da bolsa.

Depois dessas publicações, as ações da fabricante de automóveis elétricos subiram 11%. Na acusação de fraude, a entidade reguladora da bolsa dizia que “Musk não tinha sequer discutido, muito menos confirmado, elementos chave, incluindo o preço, com nenhum potencial investidor”, dizia na queixa, onde pedia que Musk fosse “proibido de exercer o cargo” de administrador.

Foi o que aconteceu. O processo termina agora com o então chairman e CEO da Tesla (Musk acumulava os dois cargos) a ser obrigado a deixar de exercer o cargo de presidente do conselho de administração (cargo também conhecido por chairman e que é não-executivo) nos próximos 3 anos, a que se junta o pagamento de uma multa no valor de 20 milhões de dólares (a título individual) e outros 20 milhões que serão pagos pela própria Tesla, segundo se lê na nota de imprensa divulgada pelo site da SEC.

O acordo ainda terá, contudo, de ser submetido a aprovação judicial. A SEC processou o empresário por ter prestado “declarações públicas falsas e enganadoras” e com isso de ter prejudicado investidores. Na mensagem partilhada no Twitter, Musk dizia que estava a equacionar tirar a empresa da bolsa o que, segundo a SEC, “causou uma enorme confusão e disrupção no mercado, para as ações da Tesla, prejudicando investidores”.

“Musk sabia” que o estava a dizer no Twitter era falso “ou foi imprudente porque ele não tinha uma base adequada para dizer o que disse”, afirma ainda a reguladora da bolsa norte-americana no comunicado emitido.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)