Greve

Greve da IP adiada para 31 de outubro nos “mesmos moldes”

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações informou ainda que na próxima segunda-feira haverá uma reunião dos sindicatos para analisar a "organização da greve de dia 31 de outubro".

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP), marcada para sexta-feira, foi adiada para 31 de outubro, segundo a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), que garante que o protesto terá os “mesmo moldes”.

“Na sequência da reunião de hoje e face à posição fechada do Governo/Administração da IP, as organizações sindicais decidiram reformular as formas de luta em curso, começando pelo adiamento da greve marcada para a próxima sexta-feira, para o próximo dia 31 de outubro, nos mesmos moldes”, lê-se numa informação divulgada pela FECTRANS.

A federação informou ainda que na próxima segunda-feira haverá uma reunião dos sindicatos para analisar a “organização da greve de dia 31 de outubro e outras ações”, para “intensificar a luta em defesa da negociação de um acordo coletivo de trabalho e um regulamento de carreiras”. O tribunal arbitral tinha decidido que a greve de sexta-feira não iria ter serviços mínimos, além dos obrigatórios por lei.

Na segunda-feira, a CP tinha alertado sobre as “fortes perturbações” na circulação de comboios devido ao protesto dos trabalhadores. “Por motivo de greve convocada por organizações sindicais da IP [gestor da infraestrutura ferroviária], a CP informa que se preveem supressões em todos os serviços no dia 12 de outubro”, anunciou a empresa em comunicado.

Os sindicatos que convocaram a greve exigem “respostas às propostas sindicais tanto da parte da empresa como do Governo” em relação à negociação do acordo coletivo, disse o coordenador do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), José Manuel Oliveira, à Lusa.

“A empresa e o Governo pretendem fazer uma negociação sem a valorização salarial e profissional dos trabalhadores”, defendeu o dirigente sindical, acrescentando que, nesta altura, “há uma grande distância” entre as posições dos sindicatos e da IP para que seja possível um acordo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)