DocLisboa

Festival DocLisboa diz ter sido alvo de pressões da Ucrânia e Turquia por causa da programação

Cíntia Gil, diretora do DocLisboa, diz que festival foi pressionado por embaixada da Ucrânia em Portugal a retirar da programação o filme "Their own Republic". Embaixada turca quis mudar sinopse.

Getty Images

Autores
  • Agência Lusa
  • Bruno Horta

A direção do festival de cinema DocLisboa disse esta quinta-feira à agência Lusa ter sofrido pressões por parte das embaixadas da Ucrânia e da Turquia por causa da programação deste ano, que começa no dia 18.

Segundo Cíntia Gil, uma das diretoras do DocLisboa, o festival foi pressionado pela embaixada da Ucrânia em Portugal a retirar da programação o filme “Their own Republic”, de Aliona Polunina, selecionado para a competição internacional, alegando que “dá voz a uma organização terrorista”.

[o trailer de “Their Own Republic”:]

Na carta, divulgada pela embaixada na rede social Twitter, a embaixadora Inna Ohnivets lamenta que o DocLisboa tenha decidido exibir um filme que “é uma demonstração de apoio ao terrorismo”, porque se debruça sobre o batalhão ‘Vostok’, “uma formação armada ilegal das Forças Armadas da Federação Russa”.

“Considero que o filme de Aliona Polunina é uma prova de apoio desta à política agressiva do Kremlin a respeito da Ucrânia”, lê-se na carta, enviada à direção da associação Apordoc, que organiza o DocLisboa, e à administração da Culturgest, uma das salas que o acolhe. Cíntia Gil revelou ainda que o DocLisboa se reuniu com uma representante da embaixada da Turquia, a pedido desta, porque nas sinopses de dois filmes (“Yol: The Full Version” e “Armenia, Cradle of Humanity”) surgem as expressões “aniquilação do povo curdo” e, referindo-se à Arménia, “local de um dos genocídios mais violentos do século passado”.

“O DocLisboa não é um festival neutro, temos uma posição política e não aceitamos interferências. É a primeira vez que me lembro de este tipo de situações acontecer. Fazemos um aviso e não uma denúncia, e convidamos os responsáveis a participarem nos debates, no final de cada filme”, disse Cíntia Gil à agência Lusa. Segundo Cíntia Gil, a representante turca não pediu para retirar os filmes, mas sim aquelas sinopses que surgem na programação.

A agência Lusa tentou obter, ainda sem resposta, um esclarecimento por parte da embaixada da Turquia em Lisboa. Em comunicado divulgado, o DocLisboa recorda que foi criado para “promover e divulgar a cultura do cinema documental, na sua liberdade, diversidade e força testemunhal”.

“O Doclisboa é inteiramente livre, autónomo na sua programação, e esta equipa continuará a lutar para que assim seja. Apenas temos como parceiros entidades que respeitam os valores que também defendemos, e que são os valores da democracia, da livre expressão, e da justiça”, lê-se no comunicado.

[o trailer de “Yol: The Full Version”:]

Em declarações ao Observador, a directora do DocLisboa acrescentou que os referidos contactos das embaixadas são “inéditos, surreais e inadmissíveis”. “No caso da Ucrânia, foi uma tentativa de exercerem censura. No caso da Turquia, foi uma pressão para nos autocensurarmos”, disse.

“Temos uma lista de embaixadas às quais não pedimos apoios, por razões políticas. Uma delas, é precisamente a embaixada da Turquia, porque neste momento há prisioneiros políticos na Turquia, incluindo artistas jornalistas e escritores”, adiantou. A referida lista, segundo a diretora, é atualizada com frequência e alvo de debate entre os membros da direção do DocLisboa e da Apordoc — Associação pelo Documentário, responsável pela organização do festival.

O DocLisboa recebe com frequência sugestões de embaixadas sobre filmes a exibir, concede Cíntia Gil, mas o critério de seleção “é sempre” da equipa de programadores.

A mesma responsável adiantou que já nesta quinta-feira teve uma reunião pessoal com Mark Deputter e José Ramalho, dois administradores da Culturgest, a sala principal do DocLisboa desde há vários anos, e que estes “reafirmaram a confiança no festival e a liberdade total de programação”.

A 16ª. edição do DocLisboa, festival de cinema dedicado ao documentário, decorrerá de 18 a 28 de outubro, em várias salas da capital.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)