São Tomé e Príncipe

Vencedor das eleições em São Tomé será chamado “em primeira mão” para formar Governo

Em entrevista à Lusa na capital de São Tomé, esta quinta-feira, o chefe do Governo advertiu que os eleitores não escolheram uma coligação da oposição.

NUNO VEIGA/LUSA

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, afirmou-se esta quinta-feira convicto de que o partido que lidera, Ação Democrática Independente (ADI), será chamado “em primeira mão” para formar Governo e advertiu que os eleitores não escolheram uma coligação da oposição.

“Qualquer que seja o resultado definitivo, quem vence as eleições, sabemos que é a ADI”, disse esta quinta-feira Patrice Trovoada, chefe do Governo cessante, em entrevista à Lusa na capital de São Tomé e Príncipe.

A ADI, afirmou, “será chamada em primeira mão a apresentar uma solução de Governo”.

Segundo os resultados provisórios das eleições legislativas de domingo, divulgados pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN), a ADI venceu as legislativas por maioria simples (25 mandatos em 55 da Assembleia Nacional), seguindo-se o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), com 23 lugares; a coligação PCD-UDD-MDFM, com cinco eleitos, e ainda dois deputados eleitos como independentes pelo distrito de Caué (sul do país).

O primeiro-ministro já anunciou que vai procurar um entendimento com os deputados de Caué, o que garantiria 27 deputados, menos um que os assentos assegurados pelo MLSTP-PSD e coligação, que fizeram um acordo de incidência parlamentar e com fins governativos.

“Em São Tomé e Príncipe já vi muitas coisas na política. Já vi partidos que perderam mais de 20% de deputados, que passaram a independentes. Já vimos parlamentos dissolvidos e ressuscitados por decretos presidenciais”, comentou, apelando: “Vamos ter calma. O jogo político aqui é muito versátil”.

Trovoada referiu que “se a ADI criar as condições para governar, a ADI irá governar”. “Eu não tenho nenhum problema em acreditar que o Presidente da República, no exercício das suas responsabilidades, irá, tomando em conta os resultados eleitorais, optar pela solução que melhor garante os interesses do país”, disse.

Questionado sobre o apelo que a oposição lançou esta quarta-feira para que o chefe de Estado, Evaristo Carvalho, “queime etapas”, recordando que um executivo de Patrice Trovoada “sucumbirá” no parlamento, o presidente da ADI desvalorizou.

“A oposição quer ir para o poder. É normalíssimo. Eu imagino o stress de pensarem que o poder pode escapar por um voto, um mandato, e ficarem quatro anos ainda na oposição. É normal que haja essa excitação e pensam que tudo serve, mas não serve tudo”, disse.

Por outro lado, sublinhou, “o povo não escolheu uma coligação MLSTP-PCD-UDD-etc etc”: “O povo não escolheu uma ‘combinazione’. Então vamos ser democratas. Por enquanto, o povo põe, o povo tira”, considerou Patrice Trovoada, repetindo uma palavra de ordem utilizada particularmente pela oposição durante a campanha eleitoral.

O governante afirmou que os responsáveis políticos têm agora de “viabilizar” a “situação” que “o povo criou”.

“O povo fixa um quadro, se esse quadro é funcional ou não, veremos. E houve casos em que teve de se refazer eleições, para que o povo, que põe e que tira, pudesse de novo explicitar melhor, nas urnas, qual é o cenário que quer para o país”, disse, sublinhando: “Eu quero é que se respeite a legalidade”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)