Cancro

Rastreios de cancro falharam metas no último ano

Rastreios oncológicos de mama, colo do útero, cólon e reto não chegaram a toda a população esperada no último ano. Relatórios de diferentes administrações regionais de saúde apontam metas e falhas.

ANNE-CHRISTINE POUJOULAT/AFP/Getty Images

Os rastreios oncológicos de mama, colo do útero, cólon e reto registaram problemas na maioria do país levando assim a que as taxas de adesão ficassem abaixo das metas definidas para 2017 por várias administrações regionais de saúde (ARS). De acordo com o Público, que avança a notícia na sua edição desta segunda-feira, essa falha justifica-se, entre vários motivos, por alterações do tipo de teste, ajustamento de novos equipamentos, falta de convocatória por parte dos médicos ou, simplesmente, por desistência dos próprios pacientes.

O relatório da administração de saúde do Algarve apresenta mais pormenores sobre as várias dificuldades sentidas e é o mais detalhado. Um dos exemplos que destaca é o do cancro da mama: entre os 64% de população elegível para fazer este rastreio, apenas 57% o procurou. Entre as explicações para a falta de adesão, a ARS aponta as condições do tempo (como frio, chuva ou calor extremo) que podem afastar os utentes e a aquisição de uma unidade móvel a meio do ano que, além de registar uma varaia no final de 2017, obrigou a um período de adaptação entre remarcações e desistências na zona de Lagoa.

Além disso, evidencia o mesmo relatório, há muitas convocatórias para exames que são devolvidas: representa 59% dos motivos de exclusão”. Também no caso do rastreio de cancro do colo do útero, dos 22% elegíveis como meta, apenas 12% aderiu. Motivo: “A grande diferença prende-se com o facto de os médicos de família não estarem a convocar as suas utentes para este rastreio”, justifica a ARS, sendo que ainda há utentes sem médico de família.

Entre os relatórios de atividades do último ano, apenas a administração regional do Norte não divulgou ainda informações. Já os restantes, com maiores ou menos variações, revelam a mesma tendência descrita pela entidade do Algarve. Apenas a ARS Alentejo parece ter alcançado uma das três metas estabelecidas: o rastreio do cancro do colo do útero envolveu exames a 12.671 mulheres, o que significa que a meta de 75% de adesão foi superada, chegando a 76,5%.

Ao Público, o coordenador do Programa Nacional das Doenças Oncológicas, Nuno Miranda, reconhece que as metas nacionais ficaram “um pouco aquém” do esperado para o último ano. “Havia necessidade de ter uma plataforma única nacional que permitisse suportar os rastreios. Foi preciso uniformizar os programas e isso foi um trabalho mais moroso do que parecia inicialmente”, explicou. Mas garante que, apesar dos problemas, “as dificuldades logísticas ficarão ultrapassadas entre este ano e o próximo”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Desfaçatez!

Fernando Leal da Costa
344

Desfaçatez é comparticipar tratamentos termais com ganhos em saúde apenas possíveis quando continuarmos a ter doentes com cancro sem acesso a medicamentos com eficácia e efetividade demonstradas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)