Web Summit

Tem mais de 40 mil pedidos. Onde pára a melhor startup da Web Summit 2017?

A inovadora caixa-frigorífico para remédios de Uwe Diegel venceu o concurso de startups da Web Summit em 2017. Agora, tem um novo design "por causa do Donald Trump" e ganhou mais prémios.

Uwe Diegel, francês, venceu o prémio de melhor Pitch na Web Summit 2017, atribuído à melhor startup

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Foi em Paris, em outubro, que encontrámos Uwe Diegel, presidente executivo da Lifeina. O empreendedor francês estava na cidade por ocasião da CES Unveiled Paris, um evento que precede a CES Las Vegas, a maior feira de tecnologia do mundo. O estilo do empreendedor mantém-se o mesmo, o que ajudou a reconhecer rapidamente o vencedor do concurso de startups da Web Summit 2017: cabelo grisalho em pé, blazer, calças de ganga e o acessório mais emblemático, um cachecol encarnado. Contudo, apesar de o visual não ter mudado, a startup Lifeina e o seu mini frigorífico portátil para remédios cresceram bastante.

Tem sido um ano fantástico. Toda a gente me agradece por este produto, mas não podem fazê-lo se não souberem que existe. Por isso é que estes prémios são importantes”, explica Uwe Diegel, presidente executivo da Lifeina.

Uwe Diegel foi a Paris foi para participar num evento dedicado a startups. O “pitch perfeito” que utilizou em 2017 fez com que neste evento também fosse premiado com o “prémio inovação da CES”. Este galardão permitiu aquilo para que tem trabalhado desde que criou a LifeinaBox, lançá-la no mercado. Enquanto que, em 2017, não havia data de lançamento para mini caixa frigorífica para guardar remédios, agora há: “A 6 de janeiro lançamos o produto na CES, em Las Vegas”.

O empreendedor assume que a exposição que vai ter no evento é bastante benéfica. Contudo, desde que saiu do Meo Arena (agora Altice Arena), em 2017, a procura pelo produto que criou chamou milhares de pessoas. “Comecei já a fabricar as caixas, principalmente porque já tenho mais de 40 mil pedidos em atraso”. Destes pedidos “10 mil são para pessoas singulares e 30 mil são para a indústria farmacêutica”, revela o empreendedor.

Uwe Diegel na CES Unveiled Paris depois de ter ganho o prémio inovação com a LifeinaBox

Mesmo tendo ganho mais um prémio em Paris, que definiu quando vai ser o lançamento do seu produto, Uwe Diegel partiu da capital francesa para Boston, nos Estados Unidos da América, para participar no Startup Of The Year Award, um evento que também premeia a inovação. A Web Summit em 2018 também está nos planos do empreendedor: “Desta vez, vou apenas como expositor e vou ser juiz num painel das Women in Tech”. Depois de Lisboa, o empreendedor no Ryse, o equivalente da Web Summit em Hong Kong.

O último ano trouxe também algumas adversidades à Lifeina. “Mudei o design desde o ano passado”, conta Uwe. O inventor explicou que “por fora, a aparência ainda é igual”, mas foi preciso mudar componentes: “no próximo ano pode não ser possível levar um portátil num avião porque tem uma bateria de lítio”. Pode parecer estranho, mas para a LifeinaBox isto foi uma grande preocupação. A grande inovação do mini frigorífico para remédios é a duração da bateria — 36 horas — e esta é de lítio. A solução passou por permitir que a bateria agora possa sair e voltar a ser colocada em modelos mais pequenos, que poderão andar nos aviões. Há vários tamanhos para “12, 24 e 36 horas”. Assim, quando ficar disponível, o produto vai poder adaptar-se a todos os cenários de mobilidade, como prometido.

O empreendedor continua a olhar para o futuro e já está a avançar com mais um dos produtos que afirmou querer criar em 2017. “Como desenvolvi uma tecnologia para produzir as caixas que guardam frio, estamos já a trabalhar no LifeinaHeart para transplante de órgãos”, revela. Todo este trabalho de Uwe Diegel fez com que se tenha juntado, esta terça-feira, como executivo à HealthBank, onde também vai trabalhar numa plataforma de gestão de dados de saúde, à margem do trabalho que faz na startup.

O mini frigorífico para guardar remédios porque o irmão tem diabetes

Uwe Diegel era pianista, mas aos 26 anos começou a dedicar-se às tecnologias ligadas à saúde. Razão? Um acidente no braço. Depois de ter trabalhado em grandes empresas na indústria, foi num hotel, numa viagem com o irmão, que teve a ideia para a LifeinaBox. Olaf é diabético e, por um erro a guardarem a insulina, congelaram-na. Não fosse uma farmácia estar aberta e o resultado podia ter sido pior. Devido à experiência que tinha na indústria, surgiu a ideia de criar uma solução para Olaf poder viajar sem este tipo de constrangimentos.

Diegel, em 2017, depois de ter ganho o prémio de melhor Pitch. Na mão esquerda, segura a mini caixa azul frigorífica com que quer facilitar a vida de quem precisa de guardar remédios no frio

“Cerca de 5 a 7% da população mundial pode precisar de medicação que tem de estar no frigorífico”. Como conta Uwe, “pessoas com Crohn, esclerose múltipla, ou diabetes, podem sentir que têm a vida definida por essas doenças”. A ideia materializou-se na LifeinaBox, uma pequena caixa frigorífica com bateria até 36 horas que pode guardar os remédios necessários. A caixa liga-se a uma aplicação e até diz a que horas é preciso tomar os remédios, além de dar informações quanto à bateria e temperatura. A solução permite facilitar a mobilidade para quem sofre com estas doenças e também pensa na privacidade: “a caixa permite que não se tenha de guardar os remédios no frigorífico do trabalho”.

O concurso do Pitch da Web Summit começou nos moldes atuais em 2014. Depois das candidaturas, são escolhidas 200 startups para chegarem ao palco final. Quem decide quem lá chega é o júri, composto por investidores internacionais, numa apresentação moderada pelo próprio Paddy Cosgrave, o organizador do evento. Os empreendedores sobem a palco para venderem o seu produto num curto espaço de tempo (atualmente, são quatro minutos). Em suma, têm de fazer um “pitch perfeito”. Desde 2014 os vencedores deste concurso foram a Import.io, a portuguesa Codacy (ainda quando Web Summit estava em Dublin), a Bizimply, e a Kubo-Robot, além da Lifeina.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)