Rádio Observador

Igualdade de Género

Mulheres ainda recebem menos dois meses de salário do que os homens em Portugal

318

Os homens recebem mais 157€ por mês do que as mulheres, o que significa que, ao final do ano, as mulheres trabalharam 58 dias sem ganharem nada por isso. Ainda assim, a desigualdade está a descer.

A disparidade salarial cresce quando também crescem os níveis de qualificação e as habilitações académicas

NUNO FOX/LUSA

Este domingo assinala-se o Dia Nacional da Igualdade Salarial. E este domingo é também, ironica e simbolicamente, o dia virtual em que, feitas as contas, as mulheres portuguesas deixam de receber o seu salário, ao passo que os homens continuam a recebê-lo até ao final do ano. De acordo com a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, os salários-base das mulheres continuam a ser 15,8% inferiores aos dos homens – o que pode ser diretamente traduzido para 58 dias de trabalho em que os homens recebem e as mulheres não.

A diferença salarial entre homens e mulheres mantém, contudo, a tendência descendente que tem vindo a verificar-se nos últimos anos: de 2015 para 2016, a discrepância caiu de 16,7% para 15,8% no que diz respeito à remuneração mensal base, o que corresponde uma diferença salarial de 157,1€ por mês entre homens e mulheres.

Ainda que os indicadores de disparidade salarial entre géneros revelem uma ligeira melhoria nos anos recentes, a verdade é que Portugal continua a ser um dos países da União Europeia onde a diferença de remuneração entre homens e mulheres é mais acentuada. Entre 2012 e 2016, a desigualdade salarial caiu 2,7% e é de notar que — ao contrário do que aconteceu em 2013 e 2014, onde as diferenças diminuíram devido à desvalorização dos salários dos homens –, em 2016, a disparidade salarial diminuiu num contexto de valorização dos salários das mulheres e dos homens, onde as remunerações das mulheres até cresceram mais do que as dos homens (1,9% contra 0,7%).

As mulheres em quadros superiores recebem ainda menos 26,2% do que os homens em cargos semelhantes e as mulheres doutoradas auferem menos 23,1% do que os homens que concluíram os doutoramentos: ou seja, a disparidade salarial cresce quando também crescem os níveis de qualificação e as habilitações académicas. O relatório da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego refere ainda que as variações regionais da desigualdade salarial acompanham o nível médio das remunerações – as regiões onde o nível salarial é mais elevado são também as regiões onde existem maiores disparidades entre homens e mulheres.

A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego aponta várias causas “múltiplas, complexas e muitas vezes interligadas” para a disparidade salarial entre homens e mulheres, como a segregação horizontal e vertical no mercado de trabalho, a conciliação da vida familiar, profissional e pessoal e também os estereótipos que subsistem na sociedade portuguesa em relação ao papel desempenhado por uns e por outros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Igualdade de Género

O CDS fecha-se na casa de banho /premium

Miguel Pinheiro
1.427

À esquerda, há muitos devaneios relativos à igualdade de género que o CDS podia criticar. Mas, neste caso, preferiu criar um mundo de fantasia para poder ficcionar uma guerra cultural que não existe.

Política

Salvo raras exceções

Diogo Poço Miranda

Não interessa aos dirigentes políticos que os melhores se envolvam na política, porque o certo é que se os melhores da sua geração o tivessem feito eles não estariam lá. Salvo raras exceções

Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)