O FC Porto conseguiu somar duas vitórias seguidas na Madeira frente ao Marítimo, algo que já não acontecia desde 2012 nos Barreiros. No entanto, houve uma série de diferenças entre o encontro desta noite, relativo à nona jornada e numa altura em que as equipas da frente perderam mais pontos do que é habitual, e o da época passada, quando os dragões deram um passo gigante para garantirem o Campeonato: o número de pessoas presentes à chegada ao aeroporto, a importância da conquista dos três pontos, a assistência no estádio. No final, além do triunfo, Marega repetiu o golo da última temporada. Mas houve mais um ponto que deixou Sérgio Conceição satisfeito e que está ligado a esta temática.

“Acho que aquilo que me deixa mais satisfeito é voltarmos a ser a equipa que fomos desde que assumi este cargo no FC Porto. Sei que com, maior ou menor dificuldade, vamos conseguir as nossas vitórias. Por vezes os jogos mais acessíveis são os que se complicam mais. Com todo o respeito pelo V. Guimarães, este ano perdemos em casa com eles e no ano passado não. Aqui é um campo tradicionalmente difícil, uma equipa cheia de individualidades muito interessantes. O Marítimo luta sempre pelos seis primeiros lugares. Ganhámos aqui depois de serem colocadas dificuldades diferentes das que esperávamos, conseguimos contornar isso e fazer um segundo tempo de qualidade”, destacou o técnico portista.

“Tinha dito na antevisão que muitas vezes observamos o adversário e temos uma ideia daquilo que é a equipa, uma ou outra mudança que costumam fazer. Tentaram surpreender e contrariar aquilo que é o poderio do FC Porto. Cada um está no seu direito de montar a estratégia que acha mais adequada e a nós cabe-nos encontrar espaço. Sabíamos que ia surgir esse espaço. Com a nossa qualidade, com os jogadores a terem que, individualmente, chegar ao golo. Foi o Otávio que o conseguiu, mas foi o Otávio depois de uma jogada fantástica. Podíamos ter feito mais golos. Na primeira parte foi mais difícil e estivemos algo previsíveis. Se houvesse mais um ou outro golo não era espanto nenhum”, acrescentou na análise ao encontro.

Um bom jogador muda uma equipa, um craque muda o jogo (a crónica do Marítimo-FC Porto)

Em paralelo, e em resposta à liderança isolada que o FC Porto ocupa pelo menos até ao jogo do Sp. Braga com o V. Setúbal (e à distância de quatro pontos de avanço em relação ao Benfica), Sérgio Conceição voltou a colocar o enfoque no caminho que os dragões têm ainda para percorrer. “Focamo-nos em nós, naquilo que temos pela frente, na nossa tarefa diária, seja em treino ou em jogo. Nós é que somos importantes. Obviamente que olhamos para as outras equipas, os candidatos ao título poderem perder pontos mas isso não tem que interferir em nada na nossa ambição e forma de jogar”, concluiu.