Rádio Observador

Ford

Elon Musk antecipa desgraça da Ford. Será verdade?

De gigante na dimensão a cortes gigantescos. A vida da Ford não tem estado nada fácil. Fala-se até numa hipotética fusão com a Volkswagen, para salvar a marca. Até que ponto a situação é dramática?

A Ford, o segundo maior grupo automóvel norte-americano, escapou à última recessão sem necessitar da ajuda de Washington, tal como a Tesla. Mas, se o episódio se repetir, “haverá uma grande probabilidade de a Ford não sobreviver”, antecipa o CEO do construtor californiano de veículos eléctricos, Elon Musk, citado pela Bloomberg.

Sem qualquer enquadramento, que não a antecipação de que vêm aí tempos difíceis para a indústria automóvel, esta previsão do empresário sul-africano pode pretender uma de duas coisas (ou ambas): voltar a colocar a Tesla na agenda noticiosa, e é sempre bom algum marketing grátis, ou virar as atenções para a Ford que, ao que se diz, estará a negociar com a Volkswagen ampliar as relações que as unem nos veículos comerciais, estendendo-as até aos carros eléctricos, sem esquecer os autónomos. Correm mesmo rumores, nunca confirmados por nenhuma das partes, que seria possível uma fusão. Certo é que as conversações continuam a decorrer e que Musk poderá querer enfraquecer ainda mais a posição da Ford à mesa das negociações. Com que interesse? Convém recordar que a ideia original do empresário era criar uma gama de veículos eléctricos SEXY, o que depois se viu impossibilitado de fazer porque a rival de Dearborn tratou de registar comercialmente o “Model E” – e daí o três estilizado do Model 3, a evocar o “E” que a Tesla não pode usar…

Foram precisos apenas sete anos para que o valor da Tesla superasse o da Ford em bolsa

Independentemente das ‘tricas’, pois a Ford também não perde uma oportunidade de vir a público lançar farpas à Tesla, qual é mesmo a situação da marca da oval azul? O quadro ainda não é negro, mas está cinzento carregado. Tanto que o plano passa por fazer cortes brutais: inicialmente estimava-se que andariam na casa dos 14 mil milhões de dólares, objectivo que depois foi revisto para cima, obrigando a uma redução de custos de 25,5 mil milhões de dólares até 2022.

Naquele que é o seu maior mercado, os EUA, a Ford deixou de gastar milhões no desenvolvimento de novos hatches, carrinhas e berlinas, para se concentrar exclusivamente naquilo que lhe dá mais dinheiro (rentabilidade): SUV, pick-ups e desportivos. Acontece que este último pode oferecer boas margens de lucro, mas não faz um volume que torne o encaixe significativo, o que significa que a Ford passa a apostar exclusivamente em dois segmentos. Chegará? Mais, nada sugere de momento uma inversão na tendência das vendas mas, e se acontecer? A Ford estará estagnada, sem nada de novo para propor aos clientes, porque apostou as fichas todas nos SUV e nas pick-ups.

Se este é o quadro que se coloca à Ford no segundo maior mercado automóvel mundial, no primeiro (a China) o cenário também está longe de alimentar grandes optimismos, na medida em que o gigante de Dearborn não consegue a Oriente um desempenho comercial similar ao da General Motors, nem da Volkswagen.

Como se tudo isto não bastasse, convém recordar que a Ford não tem mais nada para vender, caso precise de financiar-se. Os anéis chegaram a ser muitos, mas da crise de 2009 ficaram apenas os dedos. Volvo, Jaguar, Land Rover e Aston Martin foram vendidas na crise e a Mercury extinta. O gigante norte-americano encolheu – resta a Ford e a Lincoln.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)