Liga dos Campeões

Depois dos três dedos no ar, a mão no ouvido: o gesto de Mourinho que incendiou ânimos no final do jogo

509

Mourinho voltou a ser Mourinho e bastou um gesto com a mão no ouvido em direção dos adeptos da Juventus para começar uma confusão no relvado que só serenou quando o português recolheu aos balneários.

José Mourinho sentiu-se provocado pelos adeptos e reagiu com um gesto que incendiou os ânimos no final do jogo

AFP/Getty Images

Depois dos dedos, a mão. Depois da confusão, mais confusão. E se José Mourinho já não era propriamente uma figura muito querida para os adeptos da Juventus, pior ficou com uma reação que acabou por marcar os instantes seguintes ao apito final que deu o triunfo ao Manchester United em Turim, com uma inesperada reviravolta em menos de cinco minutos.

O gesto de Mourinho que incendiou os ânimos após a vitória do Manchester United (ISABELLA BONOTTO/AFP/Getty Images)

Para se perceber melhor o filme, temos de recuar ao primeiro encontro entre os dois conjuntos, em Old Trafford. Dybala apontou o único golo do encontro, a Vecchia Signora venceu de forma justa e os adeptos terão levado um pouco mais além a sua alegria. José Mourinho, que passou dois anos pela Serie A ao serviço do Inter, sentiu-se provocado e levantou três dedos bem alto nos descontos, tal como já tinha acontecido em Stamford Bridge frente ao Chelsea mas por diferentes razões.

Enquanto que, no terreno da antiga equipa, o objetivo do treinador português era recordar o número de Campeonatos que tinha ganho pelos blues (o primeiro a quebrar um longo jejum de 50 anos sem triunfos na Premier League, em 2005), no caso do conjunto transalpino estava ligado aos troféus conquistados pelo Inter na temporada de 2009/10, a última antes de rumar ao Real Madrid: venceu o Campeonato, a Taça de Itália e a Liga dos Campeões, numa final contra o Bayern.

“Reagi daquela maneira no final do jogo porque os adeptos da Juve não se comportaram de forma apropriada. Tenho uma boa relação com o clube e com Allegri, somos bons amigos. Não tenho más recordações do tempo que passei em Itália”, recordou na antevisão do encontro desta quarta-feira, onde destacava também a importância de não deixar o campeão transalpino marcar primeiro: “Se isso acontecer será muito complicado escalar depois a montanha”. Mais ou menos difícil, de forma mais ou menos improvável, a reviravolta aconteceu mesmo com um livre direto de Mata e um autogolo de Alex Sandro.

Ashley Young segurou Bonucci mas Betancur e Dybala ainda foram “falar” com Mourinho (MARCO BERTORELLO/AFP/Getty Images)

No final, em pleno relvado do Juventus Stadium, um gesto de Mourinho, a colocar a mão no ouvido, acabou por incendiar os ânimos. Bonucci foi o primeiro a abordar o português, com Ashley Young a afastar depois o central italiano quando a coisa já aquecia. A seguir, Dybala também se aproximou com algumas “bocas” e Betancur lançou ainda palavras para o treinador. Tudo enquanto regressava ao túnel de acesso aos balneários, sempre com a mão no ouvido.

“Não ofendi ninguém no final, fiz apenas um gesto porque queria ouvir ainda mais alto. Provavelmente não devia ter feito e de cabeça fria não teria acontecido, mas a minha família foi insultada, incluindo a minha família do Inter, e reagi a isso. Como treinador do Manchester United, tenho de esquecer os meus antigos clubes, os adeptos da Juventus é que não esqueceram. Eu vim cá como profissional”, disse Mourinho na primeira reação após o apito final em Turim. “Jogámos de forma fantástica. Não podíamos ter sido melhores. Viemos cá para jogar como equipa diante um conjunto que tem imenso potencial a todos os níveis. Conseguimos vencer porque jogámos muito, muito bem”, acrescentou sobre o triunfo.

Paulo Scholes, antiga glória do clube, foi dos primeiros a comentar o sucedido – e a criticar mais uma vez o português. “Isto é assim em todos os lados onde vai, é preciso ganhar com um bocado de classe. Cumprimenta-se o treinador adversário, anda-se em frente, aplaude-se os adeptos. Não acho que exista necessidade disto mas ele é mesmo assim”, disse na BT Sport.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)